Livros

Germano Almeida: “Acho piada os escritores que se torturam para escrever”

O vencedor do Prémio Camões acaba de editar um novo livro, "O Fiel Defunto". Em entrevista à Lusa, falou da literatura, "que deve ser uma forma lúdica", e dos autores que se torturam para escrever.

Germano Almeida é o segundo cabo-verdiano a vencer o Prémio Camões, o mais importante galardão de literatura em língua portuguesa

Uma semana depois de vencer o Prémio Camões, o mais importante galardão da literatura em língua portuguesa, o cabo-verdiano Germano Almeida acaba de lançar o seu 17.º livro, uma “coincidência” que considera “interessante” que poderá ajudar a criar mais interesse no seu trabalho.

O autor explicou à Agência Lusa que O Fiel Defunto (que chega às livrarias portuguesas esta terça-feira, com chancela da Caminho, responsável pela publicação das obras do cabo-verdiano em Portugal) já estava para ser apresentado antes do dia 20 de maio só que se atrasou por causa do desembargo, nas Alfândegas de Cabo Verde. Já que o lançamento vai acontecer agora, Germano Almeida disse esperar que o Prémio Camões possa ajudar a aumentar as vendas e fazer as pessoas falarem mais do autor e dos seus livros.

“É natural que, após vencer o Prémio Camões, suscite mais interesse das pessoas, levando-as a comprar mais livros”, disse, em entrevista à Lusa, via telefone, a partir de São Vicente, afirmando, porém, que em Cabo Verde o aumento não deverá ser “muito significativo”. “Costumo vender à volta de cem livros nos lançamentos em São Vicente, mas espero que o Prémio Camões potencie as vendas”, prosseguiu, adiantando que poderão ser maiores na cidade da Praia, onde o lançamento deverá ser só em julho. O livro, contudo, está à venda a partir desta terça-feira.

Assumidamente um “contador de histórias”, Germano Almeida considera O Fiel Defunto — que diz ser uma “paródia” em que “brinca” com a literatura — o seu “primeiro romance”, embora títulos como O Testamento do Senhor Nepomuceno e Os Dois Irmãos tenham sido classificados como tal em diferentes edições.

Sempre [me] defini como um contador de histórias, mas, pela riqueza do pormenor que o livro tem, é capaz de ser um romance e não apenas ‘contar história'”, notou.

O Fiel Defundo passa-se em São Vicente. É “uma história um bocadinho maluca, de um fulano que dizia que era um escritor compulsivo e que deixou de escrever durante alguns anos, e toda a gente protestava. Quando recomeçou a escrever anunciou que ia publicar um romance. Todo o mundo fica contente. E no dia do lançamento do livro, ele é morto por um amigo, com dois tiros”, explicou o autor à Lusa. Quando se descobre o motivo da sua morte, o funeral transforma-se “num Carnaval”, com a multidão que enchia o auditório, onde o livro estava a ser apresentado.

É sobretudo brincar com a literatura, que deve ser uma forma lúdica. Acho piada os escritores que se torturam para escrever. Se não tenho nada para escrever não escrevo. Não tenho angústias existenciais”, salientou o Prémio Camões.

O lançamento de O Fiel Defunto vai ser feito na ilha de São Vicente, em Cabo Verde. O livro será apresentado pelo professor e escritor cabo-verdiano Manuel Brito-Semedo. Quanto ao lançamento em Portugal, Germano Almeida disse que ainda está a ser programado com a editora, mas garantiu que, além de Lisboa, o romance será apresentado noutras cidades. A edição é da responsabilidade da Caminho, , do grupo Leya, à semelhança dos outros títulos do escritor. O romance já se encontra em “pré-lançamento”, nas lojas online.

Nascido em 1945 na ilha da Boavista, em Cabo Verde, a viver há mais de 30 anos no Mindelo, Germano Almeida é autor de livros como A Ilha Fantástica, Eva, Do Monte Cara vê-se o Mundo, O Dia das Calças Roladas, entre outros. Este último deu origem a um filme, premiado no Brasil e no Paraguai. O autor é um dos escritores mais lidos e traduzidos em Cabo Verde e o segundo cabo-verdiano a ser distinguido com o Prémio Camões, depois do poeta Arménio Vieira (2009).

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Livros

Recordando Raymond Aron (1905-1983) /premium

João Carlos Espada
131

As Memórias de Raymond Aron foram agora publicadas entre nós, 35 anos depois da publicação original. Por que motivo foi Aron em França odiado pela esquerda e respeitado pela direita — mas à distância?

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)