Terrorismo

Alerta em Serralves com falsa ameaça terrorista

Um potencial ataque durante o evento Serralves em Festa, no último fim-de-semana, esteve a ser investigado pelas autoridades. Mas não passou de um falso alarme.

© Divulgação

A Unidade Nacional de Contraterrorismo da Polícia Judiciária (PJ) esteve a investigar um potencial ataque terrorista que teria como alvo a Fundação de Serralves, no Porto. A notícia é avançada esta segunda-feira pelos jornais Correio da Manhã e i (link do artigo indisponível), segundo os quais o alvo seria o evento Serralves em Festa, que decorreu no último fim-de-semana na cidade.

A suspeita, que tinha como base um bilhete anónimo escrito em árabe e atribuído ao Estado Islâmico, acabou por se revelar um falso alarme. Conforme conta o CM, a nota que chegou às autoridades dava conta de atentados à bomba que seriam executados no sábado, mas após investigação à veracidade do bilhete e a buscas no recinto de Serralves, concluiu que se trataria de uma brincadeira de mau gosto.

O jornal i acrescenta que além da PJ, também o SIS e a PSP passaram o fim-de-semana em alerta depois de terem apanhado conversas entre supostos agentes de uma célula marroquina que também esteve sob vigilância durante a visita do Papa a Fátima, no ano passado. Na sequência dessa suspeita, as brigadas de minas e armadilhas inspecionaram as instalações de Serralves, tendo dado a operação como concluída no domingo de manhã.

Ainda assim, as autoridades mantiveram-se atentas durante todo o fim-de-semana, até porque, no dia que era visado nas (falsas) ameaças, a Fundação Serralves recebeu a visita do presidente da República que fez questão de participar no evento que costuma reunir milhares de visitantes.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Terrorismo

O melro de Rushdie /premium

Luis Teixeira

Foi há 30 anos e Khomeini tinha uma razão mesquinha para lançar a fatwa que condenava Rushdie à morte: precisava de congregar à sua volta as multidões desiludidas com o fiasco da guerra com o Iraque.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

PSD

Quando o Papa não é católico /premium

Rui Ramos

Para o PSD, a exclusão do PCP e do BE é a grande prioridade nacional. Mas para isso, é indiferente votar PSD ou PS. Como explicaram os quadros do BCP, uma maioria absoluta do PS também serve.

Corrupção

O caso da OCDE e a corrupção /premium

Helena Garrido

O que se passou com a OCDE foi grave. O responsável pelo estudo foi impedido de estar presente na apresentação. E uma conferência da Ordem dos Economistas foi cancelada. Aconteceu em Portugal.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)