Espanha

Espanha. O Governo mais feminino de sempre está completo

438

Os nomes dos novos ministros espanhóis foram conhecidos oficialmente esta quarta-feira, 6 de junho. Mais de 60% são mulheres. Conheça os novos governantes.

Pedro Sánchez, o novo Presidente do Governo espanhol, pode só ter tomado posse no passado dia de 1 de junho — no seguimento de uma moção de censura, por ele apresentada, que destituiu Mariano Rajoy — mas já tem o seu Executivo pronto.

Sánchez apresentou esta quarta-feira, 6 de junho, a lista completa de todos os seus ministros ao Rei Felipe VI. O grande destaque vai para as mulheres, que compõem mais de 60% do Executivo, assim como os nomes de Josep Borell (figura histórica que já chegou a ser presidente do Parlamento Europeu) e de José Luis Ábalos, um dos homens onde Sánchez deposita maior confiança.

Segundo a descrição do El País, Carmen Calvo, que será a vice-presidente do Governo e a ministra da Igualdade, é doutorada em Direito Constitucional e será a representante de Estado quando Sánchez estiver ausente. Esta será a primeira vez que o cargo de vice-presidência é acoplado ao pelouro da Igualdade, sendo que Carmen também estará responsável pelas relações com o Parlamento. A andaluza que será o braço direito do novo presidente do Governo é também uma respeitada figura do PSOE.

O El Español descreve a escolha de Josep Borell para o cargo de ministro dos Negócios Estrangeiros como sendo “uma mensagem para a Europa, o independentismo catalão e a oposição”. Josep já foi presidente do parlamento Europeu e goza de um grande prestígio nesse meio, é um assumido defensor da Espanha unida e refuta o argumento do PP e do Ciudadanos de que Sánchez terá vendido a união do seu país para subir ao poder. Em governos passados — no de Felipe González, mais concretamente — Borell já deteve a pasta das Obras Públicas, Transportes e Ambiente.

Teresa Ribera vai ser a única ministra (até agora) encarregue de um super-ministério. Este pelouro combinará a pasta do Ambiente com a da Energia, afirma o El Español, e vai dedicar-se afincadamente à coexistência de fontes de energia mais tradicionais com as crescente aposta em opções renováveis. Ribera esteve sete anos na liderança da Oficina Española de Cambio Climático — de 2004 a 2011.

A galega Nadia Calviño vai ser o nome forte da Economia espanhola e, à semelhança de Borell, é uma figura respeitada no panorama europeu muito por culpa do cargo do seu cargo de diretora geral dos Orçamentos da Comissão Europeia. Advogada e Economista, Calviño foi uma das figuras mais respeitadas no meio da regulação financeira até 2007.

Ainda no mundo dos números, é de destacar a nova ministra das Finanças, María Jesús Montero. Apesar de ser formada em medicina e de se ter especializado em cirurgia, Montero sempre ocupou lugares de gestão no mundo hospitalar. Esta mulher que é tida como sendo a arqui-inimiga de Sánchez dentro do PSOE vai trabalhar com Calviño para resolver um dos maiores desafios deste Executivo, o novo modelo de financiamento regional (que está para ser atualizado há cinco anos).

O cargo de “ministro do Fomento” (estará mais associado à área das infraestruturas) será atribuído a José Luis Ábalos, uma das figuras em quem Pedro Sánchez mais confia. Ábalos foi o interlocutor entre o novo presidente e o Congresso durante o processo de construção da moção de censura que derrubou Rajoy.

Meritxell Batet é a catalã que ficará encarregue da administração territorial (ainda não se sabe o nome oficial do seu ministério). Um dos seus principais desafios será a interlocução com a “nova” Generalitat. A professora de Direito Administrativo e Constitucional é uma das figuras que mais esperança inspira no seio da opinião pública.

A pasta da Saúde deve será entregue a Carmen Montón, uma andaluza que já ocupava um pelouro semelhante na Generalitat de Valência (oficialmente era a responsável pela Saúde Pública e Universal). Como aguerrida defensora do serviço de saúde público, Montón foi responsável pelo recuo em vários acordos com hospitais privados. Chega ao Governo numa fase em que a sua popularidade junto da comunidade valenciana estava a cair.

Pedro Duque é outro dos nomes escolhidos e ficará responsável pelo ministério da Ciência. Este engenheiro aeronáutico madrileno foi escolhido pela Agência Espacial Europeia em 1992 para fazer parte da sua  primeira equipa de astronautas e chegou mesmo a ir ao espaço , em 1998.

O pelouro do Trabalho será entregue a Magdalena Valerio, a atual responsável pela Segurança Social da região de Castilla – La Mancha. Antes de assumir essa posição, Valerio foi conselheira do Governo dessa região espanhola em três áreas: Emprego, Turismo e Justiça.

A basca Isabel Cealá vai ser a nova responsável da Educação, área que já tinha dominado quando fez parte do Governo regional de Patxi López. Cealá também faz parte do círculo próximo de Pedro Sánchez e é a atual presidente da Comissão de Garantias do PSOE.

A Justiça será responsabilidade de Dolores Delgado, uma especialista em jihadismo e grande defensora da Justiça Universal e dos Direitos Humanos. Para a pasta da Defesa foi escolhida a magistrada Margarita Robles.

Já para a Agricultura irá Luis Planas Puchades, atual secretário-geral do Comité Económico e Social Europeu, órgão consultivo da União Europeia. Natural da comunidade autónoma da Andaluzia, onde foi conselheiro para o meio ambiente, tornou-se conhecido por se ter candidatado contra Susana Díaz (a grande rival de Pedro Sánchez na corrida para a liderança do PSOE) na eleição para a liderança regional dos socialistas. Diplomata, foi embaixador de Espanha em Marrocos e tem experiência em Bruxelas.

Sánchez escolheu para ministra da Indústria a deputada socialista pelo parlamento regional de Madrid Reyes Maroto, professora universitária e especialista em economia; para ministro do Interior foi noemado o magistrado Fernando Grande-Marlaska.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)