Mundial 2018

Ramenskoie embelezou-se para receber Portugal, mas não há turistas portugueses

Ramenskoie, capital da região que abarca Kratovo,onde estagia a seleção portuguesa de futebol, embelezou-se com referências a Portugal, mas continua sem vestígios do turismo que esperava.

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Ramenskoie, capital da região que abarca Kratovo, localidade onde estagia a seleção portuguesa de futebol, embelezou-se com referências ao Mundial2018 e a Portugal, mas continua sem vestígios de um turismo que esperava e desejava.

Há mensagens de “bem-vindo” em perfeita língua de Camões, bandeiras de Portugal estampadas em cartazes e painéis, jardins embelezados com referências ao futebol – bolas, balizas e Taças -, símbolos FIFA, o lobo Zabivaka, mascote do evento, e outros adereços que dão um colorido diferente à cidade de cerca de 100.000 habitantes, no entanto é muito pouco provável encontrar algum português atrás de Cristiano Ronaldo e seus companheiros.

É português? Muito bem-vindo! Onde andam os seus amigos?”, atira dono de restaurante, um uzbeque com dentes de ouro que se exprime num inglês bastante perro e que, com ajuda de tradutor pouco mais conhecedor, deseja saber por que não se veem adeptos.

No Euro2016, a seleção teve apoio entusiasta da comunidade emigrante e dos adeptos que se deslocaram a França, mas na distante Rússia o cenário é diferente. O país não é destino de emigração, Kratovo/Ramenskoie fica 50 quilómetros a sudeste de Moscovo, e a viagem é demorada.

De carro, podem facilmente levar-se ser mais de três horas de caminho, enquanto uma combinação de metro e comboio, desde o centro de Moscovo, pode chegar a duas horas, que devem ser contabilizadas a dobrar, incluindo a viagem de volta.

O facto de Portugal apenas ter feito um treino aberto, com restritos 300 convites distribuídos pelas autoridades locais, apenas a compatriotas, também não contribui para que os fãs não se aventurem nestas latitudes.

É uma pena, pois imaginávamos que no Mundial teríamos a oportunidade de conviver com pessoas de outras culturas. Que seria uma festa com muitas cores e nacionalidades”, lamenta Tatiana, que serve num dos restaurantes mais animados de Ramenskoie.

Na verdade, é quase sempre uma aventura dialogar em inglês com os locais, pelo que há ferramentas de tradução – aplicações para smartphones – que ajudam à tarefa, embora se perca algo do essencial.

À falta de portugueses, são os habitantes da região a tirar e posar para as fotos, seja com bolas, balizas, taças na “minha cidade favorita”, como dizem vários cartazes, em russo.

O primeiro jogo de Portugal é na sexta-feira com a Espanha em Sochi, a mais de 1.600 quilómetros de Moscovo, mas na quarta-feira os pupilos de Fernando Santos competem na capital, frente a Marrocos, sendo previsível que mais portugueses comparecerão em Kratovo/Ramenskoie, para prestar apoio à equipa e fazer a região sentir-se, de corpo inteiro, parte do Mundial2018.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Mundial 2018

Messi é um poema de Fernando Pessoa /premium

Bruno Vieira Amaral

Estiveram todos à altura uns dos outros e nenhum à altura dos melhores. Ainda não será desta que um argentino com a camisola nº 10 volta a ganhar sozinho a mais desejada das competições.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)