Fogo de Pedrógão Grande

De Portugal a Itália há “palavras contra as chamas” para homenagear as vítimas dos incêndios

105

"O Homem que plantava árvores" vai ser lido em simultâneo no Porto, em Pedrógão Grande, em Turim e no Vale de Susa -- no norte de Itália -- como forma de homenagear as vítimas dos incêndios.

JOS

O que têm em comum Porto, Turim, Vale de Susa e Pedrógão Grande? Este fim-de-semana vão proferir “palavras contra as chamas” em simultâneo, numa iniciativa solidária de homenagem às vítimas dos incêndios que há um ano assolaram Pedrógão Grande e a região de Vale de Susa, no norte de Itália.

Vários atores nacionais e locais vão juntar-se para dar voz ao conto do escritor francês Jean Giono, “O Homem que plantava árvores”, numa ação promovida pela associação Apuro, em Portugal, e pela Assemblea Teatro, em Itália.

No sábado as palavras chegam a sete livrarias do Porto — Livraria Lello, Poetria, Papa-Livros, na Fnac de Santa Catarina, na Confraria Vermelha, na Bertrand do Shopping Cidade do Porto e na Flâneur — e a vários espaços da cidade de Turim, pelas 15h30. Segundo a Livraria Lello, que vai ter Rui Spranger a ler o conto, “esta ação não quer ver esquecida uma das mais assoladoras tragédias que aconteceram em território luso”.

Já no domingo, o conto vai ser lido por atores e voluntários da Aldeia de Nodeirinho, na freguesia de Pedrógão Grande, também pelas 15h30. O mesmo será feito em vários locais do Vale de Susa, à mesma hora.

“O Homem que plantava árvores” é um conto baseado em acontecimentos verídicos e que aborda a história de um homem que, do zero e com as suas próprias mãos, criou uma floresta inteira.

Ao todo são 19 livrarias, uma biblioteca e dois municípios que se unem para ler a obra e homenagear as vítimas dos incêndios.  A tragédia de Pedrógão Grande ocorreu a 17 de Junho de 2017 e provocou 66 mortos e 254 feridos e a destruição de 5300 hectares de floresta, 500 habitações e 48 empresas.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Os esquecidos /premium

Alexandre Homem Cristo
355

As sementes do populismo estão plantadas nesse distanciamento entre o quem governa e os esquecidos, cada vez mais profundo e cada vez mais irreversível. É uma questão de tempo até algo rebentar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)