Estados Unidos da América

Estados Unidos abandonam Conselho de Direitos Humanos da ONU

1.315

A decisão dos Estados Unidos de abandonarem o Conselho de Direitos Humanos da ONU foi confirmada por Nikki Haley, embaixadora do país nas Nações Unidas.

HOW HWEE YOUNG/EPA

Os Estados Unidos abandonaram o Conselho de Direitos Humanos da Organização das Nações Unidas (ONU). A decisão foi anunciada pelo secretário de Estado Mike Pompeo e pela embaixadora dos EUA nas Nações Unidas, depois de esta terça-feira à tarde a agência Reuters ter admitido essa possibilidade.

Os EUA justificam a saída com uma alegada política anti-Israel que estará a fazer-se sentir no seio do Conselho dos Direitos Humanos da ONU. Numa conferência de imprensa conjunta, o secretário de Estado Mike Pompeo e a embaixadora dos EUA junto da ONU, Nikki Haley referem-se a um “preconceito anti-Israel crónico”. Haley acusa os países membros do conselho de “hipocrisia” por forçarem um braço-de-ferro com Israel e ignorarem violações de Direitos Humanos noutros pontos do globo, acusando-os ainda de usarem aquele organismo em “proveito próprio”.

“O conselho”, defendeu a embaixadora na ONU, “é motivado pelo preconceito político e não pelos direitos humanos”. Os EUA, acrescentou Haley, vão “continuar a trabalhar nos direitos humanos fora do enganador Conselho de Direitos Humanos”.

Terminamos aqui a nossa adesão ao Conselho de Direitos Humanos, uma organização que não merece o nome que tem”, defendeu a representante norte-americana nas Nações Unidas.

Haley ainda haveria de dizer que aquele organismo “precisa de grandes e dramáticas mudanças”. Mas, durante a sua curta declaração, a embaixadora dos EUA na ONU não fez qualquer referência à situação em que cerca de duas mil crianças mexicanas se encontram neste preciso momento, na fronteira entre os dois países, retidas em centros de detenção depois de terem sido afastadas dos pais, que foram detidos pelas autordades norte-americanas por tentarem entrar nos Estados Unidos de forma ilegal.

A declaração completa dos dois responsáveis norte-americanos pode ser vista aqui (a partir do minuto 14):

A notícia de que os EUA poderiam abandonar aquele organismo das Nações Unidas começou a ser avançada por vários jornais americanos, que citavam várias fontes oficiais. Segundo a CNN, a decisão da saída deve-se ao desejo dos EUA de verem uma reforma no órgão da ONU e da existência de uma alegada tendência anti-israelita do organismo.

A saída dá-se num momento em que a política de “tolerância zero” dos EUA para a imigração — ao abrigo da qual estão a ser separadas famílias na fronteira dos EUA ficando as crianças isoladas em celas de centro de detenção para migrantes –, tem sido alvo de debate e várias críticas.

As polémicas dos Estados Unidos com a ONU não são novidade. Em 2009, quando estavam sob a presidência de George W.Bush, o país boicotou durante três anos o Conselho de Direitos Humanos da ONU, antes de voltarem ao ativo quando Barack Obama se tornou presidente.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)