António Costa fez uma receção calorosa ao príncipe Amyn Khan à chegada da comitiva ao Palácio Foz, em Lisboa. O primeiro-ministro abraçou-o, conversou e posou para a fotografia com o príncipe perante os jornalistas, num momento que se estendeu para além dos habituais cumprimentos de circunstância, o que deixou a comitiva do líder ismaelita irrequieta. Um dos membros colocou até a mão no braço de António Costa (visível nas fotografias captadas pelo Observador) a alertá-lo que o líder Aga Khan estava a chegar, mais atrás.

Costa conhece bem Amyn há vários anos, e pelas melhores razões: foi ele quem deu o maior donativo (200 mil euros) para que o quadro “A Adoração dos Magos”, do pintor português Domingos António Sequeira (1768-1837), ficasse em Portugal, no Museu de Arte Antiga. O príncipe doou também 100 mil euros para a rearborização da Mata de Leiria.

Após a foto de Costa com o príncipe, a comitiva de Aga Khan abriu rapidamente alas para o líder seguir para a frente do grupo e António Costa tirou a fotografia com o convidado de honra – Aga Khan. Alguns jornalistas no local ficaram com a perceção de que nas primeiras imagens, Costa tinha posado por lapso. Mas não. O primeiro-ministro queria mesmo uma fotografia de Estado ao lado de Amyn.

Nesta primeira fotografia, é possível ver Costa a ser avisado da chegada de Aga Khan.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Na segunda fotografia,  Costa posa com Aga Khan.

JOÃO PORFÍRIO/OBSERVADOR

Correção: Na versão original desta publicação, foi escrito que António Costa tinha tirado uma fotografia com o secretário de Aga Khan, depois de consultada uma fonte que erradamente identificou o príncipe Amyn dessa forma. O Observador não confirmou a identidade do príncipe Amyn e, por isso, pedimos desculpas aos leitores e aos visados.