António Guterres

António Guterres “muito preocupado” com a situação na Nicarágua

O porta-voz do secretário-geral da ONU disse em comunicado que Guterres "deplora a perda de vidas nos protestos e o ataque contra os mediadores da Igreja católica no diálogo nacional".

YURI KOCHETKOV/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O secretário-geral da Organização das Nações Unidas está “muito preocupado” com a violência na Nicarágua e apoia a mediação dos bispos para uma saída pacífica para a crise no país, afirmou esta quarta-feira o seu porta-voz.

“É uma situação que (António Guterres) tem estado a seguir de muito perto e apoia o trabalho feito pelos bispos católicos para um diálogo político”, afirmou Stéphane Dujarric, na sua conferência de imprensa diária. Em comunicado posterior, Dujarric acrescentou que a ONU “deplora a perda de vidas nos protestos e o ataque contra os mediadores da Igreja católica no diálogo nacional”.

No texto, acrescentou-se que “o secretário-geral reconhece o importante papel de mediação da Conferência Episcopal Nicaraguense e insta todas as partes a respeitar o papel dos mediadores, abster-se do uso da violência e comprometer-se plenamente em participar no diálogo nacional para reduzir a violência e encontrar uma solução pacífica para a crise atual”.

Esta quarta-feira, a Comissão Interamericana de Direitos Humanos (CIDH) e o gabinete do Alto-Comissário da ONU para os Direitos Humanos condenaram a violência recente, que só no fim de semana causou mais 20 mortos, e pediram o desarmamento “urgente” dos grupos “pró governamentais”. Entretanto, a Conferência Episcopal da Nicarágua decidiu continuar a mediar o processo de diálogo nacional, apesar das agressões físicas e verbais os seus representantes sofreram na segunda-feira.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Populismo, Portugal e o Mar

Gonçalo Magalhães Collaço

A capacidade que a Esquerda tem, e sempre teve, para se impor, dominar e exercer o condicionamento mental que exerce, é admirável.

Política

As direitas a que Portugal tem direito /premium

Alberto Gonçalves

Visto que em Portugal a direita se define por ser tudo aquilo de que a esquerda não gosta, eu defino-me por não gostar de tudo aquilo o que a esquerda é. Quanto à direita, tem dias. E tem direitas.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)