Juan Carlos

Espanha. Técnicos do fisco defendem abertura de inquérito às contas secretas de Juan Carlos I

Os técnicos da Autoridade Tributária defendem a abertura de um inquérito às contas do antigo rei em paraísos fiscais e pedem que a família real declare publicamente os bens que detém no estrangeiro.

Getty Images

Os técnicos da Autoridade Tributária espanhola defendem a abertura de um inquérito às contas que Juan Carlos I detém em paraísos fiscais — e pedem que a família real declare os bens que detém no estrangeiro.

A intervenção dos técnicos surge na sequência das notícias avançadas pelo jornal El Español esta quarta-feira com base nas escutas à mulher apontada como antiga amante do rei, Corinna zu Sayn-Wittgenstein. Nas gravações, a filantropa alemã afirma que o antigo rei detém contas bancárias em paraísos fiscais e propriedades ocultas sob o nome de testas de ferro.

O pedido surge pelo porta-voz do sindicato que engloba os técnicos da AEAT. Para Carlos Cruzado, a família real deve comunicar à AEAT a situação destas contas e tornar público o património imobiliário que detém. A Casa de Bourbon deve também esclarecer se cumpriu as exigências da declaração de bens no estrangeiro a que todos os contribuintes em Espanha estão obrigados.

“A melhor maneira de evitar que isto continue a gerar dúvidas é que a Família Real decida publicar esses dados e acabar com a incógnita”, afirmou Carlos Cruzado ao jornal Ok Diário. Para o sindicato, está em causa não só saber se os movimentos de capital foram declarados e devidamente tributados, mas também a legalidade das ações de Juan Carlos I.

Segundo Carlos Cruzado, as gravações de Corinna apresentam “provas sérias que justificam plenamente a abertura de uma ação pela Agência Tributária”. O porta-voz sindical salienta que as declarações contêm informação detalhada (nomes concretos de titulares de contas e testas de ferro e descrição das propriedades) que justificam a abertura de um inquérito.

Entre outras revelações, as gravações de Corinna implicam o antigo rei no caso Nóos, que resultou na prisão do genro Iñaki Urdangarin.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)