Rádio Observador

Presidente Trump

Trump assina leis que compram guerra com a indústria pornográfica

194

Organizações ligadas à indústria pornográfica afirmam que as medidas tomadas para combater o tráfico sexual devolvem o país ao "puritanismo".

Getty Images

Na tentativa de combater o tráfico sexual, o congresso americano aprovou dois pacotes legislativos, o SESTA e o FOSTA. As duas propostas visam combater sites como o Craigslist, onde o tráfico sexual acontecia de forma idêntica aos anúncios classificados dos jornais impressos. No entanto, representantes ligados à indústria sexual já vieram salientar que tais medidas podem incentivar aquilo que tentam combater, levando estas práticas para a clandestinidade.

O que pretendem estas leis na verdade? Até à data, sites como o Facebook ou o Twitter não eram responsabilizados pelo conteúdo partilhado pelos seus utilizadores. No fundo, tinham imunidade num país onde a prostituição é ilegal. Depois da aprovação do pacote legislativo, os sites irão passar a ser responsabilizados pelos conteúdos partilhados nas suas plataformas, o que afeta diretamente, entre outros, o Craigslist.

O site de classificados onde se pode comprar de tudo um pouco, desde mobília a animais de estimação, é particularmente afetado. Em comunicado a empresa afirmou que não podem “correr riscos sem por em causa todos os nossos restantes serviços, por isso, é com pena que anunciamos que vamos mandar abaixo a secção de anúncios pessoais. Esperamos trazê-la de volta uma dia.” O site acrescentou ainda: “Para os milhões de esposos, parceiros e casais que se conheceram através do Craigslist, mdesejamo-vos muita felicidade!”

O Craigslist é conhecido na sociedade americana sobretudo por ser dos primeiros sites de relacionamentos da era digital, antes de existirem aplicações como o Tinder ou o Happn.

As novas leis não afetam somente os sites onde são publicados anúncios de relacionamentos. A  International Entertainment Adult Union (IEAU), o sindicato internacional da indústria para adultos, publicou um comunicado em que se pronuncia sobre o ataque aos trabalhadores e não às empresas em si.

A IEAU condena qualquer forma de sexo não-consensual. No entanto, reconhecemos que muitas pessoas da indústria ligados ao sexo legal estão a ser postas em perigo e a ser empobrecidas por estas ações. Os únicos verdadeiros vencedores são os políticos hipócritas demasiado preguiçosos para resolver os problemas.”

A organização afirmou ainda que a senadora democrata Elizabeth Warren e o senador republicano Marc Rubio apoiaram um projeto de lei que obrigava os bancos a fechar as contas legais e ilegais de todos os trabalhadores ligados à indústria.

O site Patreon, que permite aos trabalhadores receber doações de subscrições pelo seu trabalho, tem seguido essa tendência e tem fechado as contas de centenas de utilizadores, desde pessoas que trabalham com webcams a outras ligadas a estúdios pornográficos independentes.

Um estudo publicado pela Universidade de Baylor, no Texas, apontou um outro benefício do uso desses sites. “Todas as cidades em que esta plataforma estava a implementar sua secção de serviços eróticos reduziram a taxa de homicídios femininos em até 17,4%, em média, em comparação com outros lugares onde esta seção não havia sido lançada”, pode ler-se no estudo de Scott Cunningham.

Uma das grandes preocupações dos trabalhadores da indústria para adultos é a de que, como resultado destas leis, o seu trabalho se torne cada vez menos seguro. Em alternativa aos sites atualmente usados muitos utilizadores dizem que irão migrar para lugares mais obscuros da Internet, ou para as ruas, como forma de contornar a lei.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)