Man Booker Prize

Pela primeira vez, um romance gráfico é candidato ao Man Booker Prize

"Sabrina", do norte-americano Nick Drnaso, é o primeiro romance gráfico a ser considerado para o Man Booker Prize. Michael Ondaatje é o único anterior vencedor incluído na longlist.

Nick Drnaso é o autor de "Sabrina", o primeiro romance gráfico a ser nomeado para o Man Booker Prize

Pela primeira vez desde que é atribuído, ou seja, desde 1969, o Man Booker Prize incluiu na primeira lista de candidatos um romance gráfico. Sabrina, do norte-americano Nick Drnaso, aborda o efeito da informação permanente depois do desaparecimento de uma rapariga e está presente na longlist divulgada esta terça-feira.

O júri do Man Booker Prize colocou Sabrina nos 13 escolhidos em detrimento de anteriores vencedores como Pat Barker, Julian Barnes, Peter Carey ou Alan Hollinghurst, e descreveu a obra de Nick Drnaso como “oblíqua, subtil e minimalista”, acrescentando que “as mudanças na forma da ficção” significavam que era apenas uma questão de tempo até um romance gráfico ser considerado para o prémio de 50.000 libras.

Na corrida a um dos prémios literários mais prestigiados está também o thriller Snap, da britânica Belinda Bauer. O livro conta a história de uma mãe que abandona os três filhos num carro avariado e detalha a luta dos irmãos para lidar com o seu desaparecimento. De acordo com o júri, trata-se de “um romance agudo e inteligente sobre a maneira como sobrevivemos ao trauma”.

A primeira lista de candidatos ao Man Booker Prize inclui as estreias de Sophie Mackintosh e Guy Gunaratne, com The Water Cure e In Our Mad And Furious City, respetivamente. O poeta Robin Robertson foi escolhido com The Long Take, o seu primeiro romance que mistura prosa e verso, enquanto que Everything Under, a estreia de Daisy Johnson na escrita romanceada, valeu-lhe o selo de autora mais jovem na longlist – ao lado de Sally Rooney, ambas com 27 anos.

Quanto a anteriores vencedores, apenas um. Michael Ondaatje, que venceu o prémio em 1992 com O Paciente Inglês, surge na longlist com Warlight, que abre na Londres de 1945, ainda a tentar renascer dos bombardeamentos da II Guerra Mundial. Outro nome forte na primeira lista de candidatos é Richard Powers, que já venceu um Pulitzer, com The Overstory.

A shortlist para o Man Booker Prize 2018 é anunciada a 20 de setembro, enquanto que o vencedor é revelado no dia 16 de outubro. Veja a longlist completa:

1. Snap, de Belinda Bauer (Reino Unido). Publicado pela Bantam Press

2. Milkman, de Anna Burns (Reino Unido). Publicado pela Faber & Faber

3. Sabrina, de Nick Drnaso (Estados Unidos). Publicado pela Granta Books

4. Washington Black, de Esi Edugyan (Canadá). Publicado pela Serpent’s Tail

5. In Our Mad And Furious City, de Guy Gunaratne (Reino Unido). Publicado pela Tinder Press

6. Everything Under, de Daisy Johnson (Reino Unido). Publicado pela Jonathan Cape

7. The Mars Room, de Rachel Kushner (Estados Unidos). Publicado pela Jonathan Cape

8. The Water Cure, de Sophie Mackintosh (Reino Unido). Publicado pela Hamish Hamilton

9. Warlight, de Michael Ondaatje (Canadá). Publicado pela Jonathan Cape

10. The Overstory, de Richard Powers (Estados Unidos). Publicado pela Willian Heinemann

11. The Long Take, de Robin Robertson (Reino Unido). Publicado pela Picador

12. Normal People, de Sally Rooney (Irlanda). Publicado pela Faber & Faber

13. From A Low And Quiet Sea, de Donal Ryan (Irlanda). Publicado pela Doubleday Ireland

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
IAVE

Errare humanum est… exceto para o IAVE!

Luís Filipe Santos

É grave tal atitude e incompreensível este silêncio do IAVE. Efetivamente, o que sempre se escreveu nos anos anteriores neste contexto foi o que consta na Informação-Prova de História A para 2018.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)