Ryanair

CEO da Ryanair renuncia a bónus salarial de 1 milhão de euros

O presidente executivo da Ryanair, Michael O'Leary, renunciou voluntariamente ao bónus anual, que poderia aproximar-se de um milhão de euros.

TIAGO PETINGA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente executivo da Ryanair, Michael O’Leary, renunciou voluntariamente a um bónus, que poderia aproximar-se de um milhão de euros, depois das recentes anulações de voos, segundo o relatório anual da transportadora aérea.

Segundo o documento, O’Leary ganhou 2,31 milhões de euros nos 12 meses que encerraram a 31 de março, 950 mil euros menos que no exercício anterior. O valor do bónus recusado não foi divulgado, mas nos anos anteriores situou-se entre os 850 mil e os 950 mil euros.

O salário base é de 1,06 milhões de euros, ao qual se juntam 1,25 milhões de euros por distribuição de dividendos das suas ações da companhia.

A transferência de pilotos para outras companhias e os erros nas escalas de férias obrigaram a companhia irlandesa de baixo custo a cancelar mais de 20 mil voos entre setembro e março, afetando 700 mil passageiros e custando quase 25 milhões de euros.

O’Leary tinha reconhecido responsabilidade, em setembro perante os acionistas, pelos erros cometidos nas escalas.

A companhia anunciou ter registado um lucro de 319 milhões de euros no seu primeiro trimestre fiscal (até 30 de junho), numa diminuição de 20%, na comparação homóloga.

Nas suas próximas contas, a companhia terá de registar o impacto das greves da semana passada dos tripulantes de cabine em Portugal, Espanha, Bélgica e Itália, assim como das greves de pilotos na Irlanda e na Alemanha.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)