Rádio Observador

Espanha

Ao segundo mês no poder, PSOE dispara nas sondagens e já está em primeiro

Dois meses depois de ter subido ao poder, o PSOE de Pedro Sánchez tem uma boa notícia: o barómetro do CIS dá-lhe o primeiro lugar, com 29,9% dos votos. PP afunda mas a queda do Podemos é ainda maior.

O PSOE sobe 7,9% desde o último barómetro do CIS, em maio

Pablo Blazquez Dominguez/Getty Images

O barómetro de julho do CIS, uma das mais reputadas sondagens políticas de Espanha, coloca o PSOE de Pedro Sánchez em primeiro lugar com 29,9% da previsão dos votos.

Esta é a primeira sondagem do CIS desde que as mais recentes, e muito significativas, cambalhotas que a política espanhola tem dado. A 2 de junho, Pedro Sánchez se tornou Presidente de Governo após ter derrubado o governo de Mariano Rajoy através de uma moção de censura. O então líder do Partido Popular viria, dias depois, a demitir-se da direção do partido, que no mês de julho elegeu Pablo Casado para substituí-lo.

A maioria dos inquiridos respondeu que a prestação do PSOE no governo tem sido “normal” (33,9%), seguindo-se de 17,7% que dizem ter sido “boa”; 17,5% que responderam “má”; 9,8% “muito má” e 1,4% “muito boa”. Outros 19,8% disseram não saber ou não responderam.

Mais de metade dos inquiridos dizem que prestação do PSOE é “normal” ou “boa” e que o PP na oposição tem sido “mau” ou “muito mau”

Sobre o papel do Partido Popular (PP) na oposição, a avaliação é mais negativa. 31,1% dizem que é “má”, seguidos de 23,1% que respondem “muito má” e 22,8% que respondem “normal”. Apenas 6,5% responderam “boa” ou “muito boa”

A cair do primeiro lugar nas sondagens anteriores para o segundo, está o PP, com 20,4%. O Ciudadanos obtém a mesma previsão de votos. Depois, a fechar o conjunto das quatro maiores forças políticas espanholas, está o Unidos Podemos (coligação que junta a Esquerda Unida e o Podemos) juntamente com os partidos de caráter regionalista da esfera do Podemos. Todos somados, têm 15,6%.

O anterior barómetro do CIS, publicado em maio, revela uma dinâmica que é muito diferente daquele que aquela que é agora projetada em agosto. Naquela altura, o CIS previa os piores números de sempre para o bipartidismo, ou seja, para a soma dos votos do PP (24%) com os do PSOE (22%). O Ciudadanos surgia então em segundo lugar com 22,4% e o Unidos Podemos em quarto, com 19,6%.

A sondagem, realizada num momento de lua-de-mel do PSOE ao mesmo tempo que o PP atravessa um período de reestruturação interna, confirma não só a subida dos socialistas em detrimento dos conservadores como também a queda do Unidos Podemos. É precisamente nesta coligação da esquerda populista que a queda, em termos absolutos e também relativos, é mais acentuada. Ao perder 4% das suas previsões de votos, o Unidos Podemos fica com menos 1/5 do seu eleitorado.

A perda do Partido Popular também não é de somenos. Descendo de 24% para 20,4% em apenas dois meses, perde cerca de 15% do seu eleitorado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: jadias@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)