MotoGP

Histórico: Miguel Oliveira vence GP da Rep. Checa e sobe pela primeira vez à liderança do Mundial

12.311

Feito histórico para Miguel Oliveira: português venceu o GP da Rep. Checa com uma fantástica e emocionante corrida e subiu pela primeira vez na carreira à liderança do Campeonato do Mundo.

Miguel Oliveira conseguiu a segunda vitória da temporada, depois de já ter ganho no GP da Itália

Getty Images

O quarto lugar de Miguel Oliveira no GP da Alemanha acabou por ter um valor, de forma indireta, quase acima do pódio: por um lado, pela forma como conseguiu galgar posições após largar no 15.º posto e superar um toque logo na segunda volta com Xavi Vierge; por outro, por ter beneficiado das quedas de Mattia Pasini e de Lorenzo Baldassari, além da saída de pista de Francesco Bagnaia, para consolidar a vice-liderança do Campeonato e ficar apenas a sete pontos do topo da classificação. Com tudo isso, abria-se uma possibilidade de ouro de, pela primeira vez na carreira, estar na frente do Mundial. E conseguiu.

A qualificação para o GP da Rep. Checa, em Brno, reforçou essas legítimas ambições: ao conseguir o quarto melhor tempo, apenas atrás de Luca Marini (que alcançou a primeira pole position da carreira), Alex Márquez e Mattia Pasini, o português da KTM igualou a sua melhor qualificação da temporada em Moto 2, à frente do atual líder Francesco Bagnaia.

“Mudámos a nossa estratégia para este fim de semana, trabalhámos para melhorar a moto para uma volta mais rápida. No final tudo correu como esperado mas ter apenas cinco minutos para estabelecer uma marca significa que a minha volta teve erros e que podia ser melhor. É o meu melhor resultado de qualificação da temporada como no Qatar, estamos de volta à segunda linha e espero que seja o início da mudança”, comentou Miguel Oliveira após estabelecer o quarto melhor tempo da qualificação, sem esquecer também a importância do calor na pista, que considerou ser “um fator decisivo” para a corrida.

À hora da partida, pelo menos o tempo deu algumas tréguas, com algumas nuvens a baixarem ligeiramente a temperatura no asfalto para os 39º, inferior ao que se tinha assistido nos dois dias anteriores. E o português voltou a ter um grande arranque para as 19 voltas, subindo de forma momentânea ao terceiro lugar antes de baixar de novo para a quarta posição e ser depois superado por Bagnaia, que conseguiu em menos de uma volta subir à liderança da corrida antes de entrarmos numa fase com vantagens alternadas com o compatriota Luca Marini e o espanhol Alex Márquez. Tudo isto depois de Joan Mir, segundo classificado na Alemanha e quarto no Mundial, ter sofrido uma queda que o deixou fora da prova.

A corrida estava aberta, interessante e com diferenças curtíssimas que colocavam qualquer das posições cimeiras em risco ao mínimo erro e detalhe. Na terceira volta, Oliveira subiu ao terceiro lugar, ultrapassando Márquez, e ficou apenas dos italianos da Kalex, Bagnaia e Marini, ainda que pressionado por outro espanhol, Xavi Vierge, que estabeleceu a volta mais rápida da corrida. E bastou um pequeno erro de Bagnaia na curva 14, abrindo em demasia a trajetória, para subir ao segundo posto. Pouco depois, na reta da meta à entrada para a sexta volta, Miguel Oliveira conseguiu mesmo passar para a frente, com Marini a responder da melhor forma e a recuperar o topo numa luta fantástica e sempre com Bagnaia a andar na roda dos líderes.

Lá atrás, Alex Márquez (terceiro do Mundial, depois do 13.º lugar na Alemanha) ia recuperando de um início muito irregular, voltando ao quarto posto, mas era na frente da corrida que se fixavam todas as atenções. Algo que se adensou quando o espanhol, após “atacar” o terceiro lugar de Miguel Oliveira, acabou por não evitar a saída de pista com queda, abrindo um gap entre os dois italianos e o português em relação aos restantes pilotos que não demorou a ser desfeito por Lorenzo Baldassarri.

Com o passar das voltas, Bagnaia e Marini conseguiram encontrar um ritmo mais regular e criaram uma ligeira vantagem em relação a Miguel Oliveira, que se manteve na terceira posição até ser ultrapassado por Baldassarri, outro italiano que foi subindo lugares atrás de lugares até chegar mesmo à liderança da corrida: saiu do décimo lugar, estava em oitavo na volta 8 mas chegou a primeiro na volta 13, a mesma onde o português aproveitou um abrandamento das Kalex para voltar a segundo. Contas feitas, e a seis voltas do fim, o GP da Rep. Checa já tinha conhecido cinco líderes diferentes.

Estava tudo em aberto para a ponta final da prova, com um outro dado interessante em discussão: com o segundo lugar de Miguel Oliveira e o quarto de Francesco Bagnaia, os dois pilotos estavam virtualmente empatados na liderança do Campeonato do Mundo de Moto2. Um empate que, a quatro voltas do final, foi desfeito quando o português superou Baldassarri e assumiu de novo o primeiro lugar em Brno. Ao contrário do que se passou até aí, o piloto da KTM foi conseguindo aguentar essa posição apesar dos ataques que Marini, Bagnaia tentou também aproximar-se do topo (até falhar a trajetória numa curva e ser de novo superado por Baldassarri) mas tudo ficaria resumido a Oliveira e Marini, com vantagem final para o português.

Desta forma, Miguel Oliveira passou a liderar o Campeonato do Mundo com 166 pontos, mais dois do que o italiano Francesco Bagnaia, terceiro classificado na Rep. Checa que ficou assim com um total de 164 pontos. Em paralelo, a vantagem de ambos para a terceira posição, que continua a pertencer a Alex Márquez, subiu para mais de 50 pontos. Na próxima corrida, daqui a uma semana, o português irá tentar manter ou reforçar o posto no circuito da KTM, o Red Bull Ring, na Áustria.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)