Rádio Observador

Rio Tejo

Concluída remoção de 15 mil m3 de lamas das águas do Tejo

190

Os trabalhos de remoção de lamas do rio Tejo ficaram concluídas a semana passada, tendo sido retirado mais de 15 mil metros cúbicos de matéria orgânica.

PAULO CUNHA/LUSA

Autor
  • Agência Lusa

Os trabalhos de remoção de lamas no rio Tejo, junto às Portas de Ródão, ficaram concluídos na semana passada, disse esta terça-feira o ministro do Ambiente, tendo sido retirados mais de 15 mil metros cúbicos de matéria orgânica.

Concluímos a semana passada a retirada de mais de 15 mil metros cúbicos de lamas do Tejo, que eram poluição, matéria orgânica que estava em vários sítios diferentes em Vila Velha de Ródão e um bocadinho mais a jusante, até à barragem do Fratel, uma operação concluída com todo o sucesso, nenhum incidente sequer, e retirámos [o que corresponde a] 94% da carga orgânica que tínhamos ali”, disse João Matos Fernandes, em Abrantes, no distrito de Santarém, à saída de oitava reunião da Comissão de Acompanhamento do Tejo, criada em janeiro de 2016.

As lamas ali depositadas, e cuja remoção implicaram um investimento de 1,7 milhões de euros, representavam “um passivo ambiental (…) que provocou o que aconteceu no fatídico dia 24 de janeiro em Abrantes”, afirmou o governante, reportando-se a um episódio extremo de poluição no Tejo, junto ao açude de Abrantes, com a formação de grandes blocos de espuma branca e amarela.

Segundo Matos Fernandes, “o Tejo, hoje, tem água de excelente qualidade, atestado pelas mais de nove mil análises feitas desde novembro agora e que continuam a ser feitas todos os dias à qualidade da água, em sete pontos diferentes”, tendo referido que as mesmas estão a ser efetuadas “desde Peraia, à entrada do Tejo em Portugal, e até Constância, onde se verifica, continuadamente, que o oxigénio dissolvido na água é o que caracteriza uma água de boa qualidade”.

No final da oitava reunião da Comissão de Acompanhamento do Tejo, que teve como objetivo fazer o ponto de situação dos trabalhos de despoluição do Tejo, bem como a apresentação do projeto Tejo Limpo, o ministro do Ambiente, congratulou-se com o atual estado das águas do Tejo, tendo destacado ainda a “importância de consolidar o que foi feito e ir mais além”, referindo-se ao trabalho a efetuar nos próximos três anos.

O que nós conseguimos tem várias parcelas de trabalho, conhecemos muito melhor o Tejo” e “conhecemos muito melhor a qualidade das águas”, facto que imputou a nove mil análises desde janeiro feitas por “dois amostradores em contínuo”, e mais dois a instalar, e que “permitem saber a cada momento qual é a qualidade das águas”, notou.

Matos Fernandes destacou a emissão de novas licenças, “os novos títulos de utilização de recursos hídricos”, tendo referido que, “dos 10 prometidos para a 1ª fase, três são urbanos, seis industriais e um ainda está em discussão”, sendo emitidos com “um novo conceito, completamente diferente”.

A inovação, referiu, é que os títulos, “agora, são emitidos a partir da capacidade que o meio hídrico, o rio Tejo, tem, ele próprio, de depurar os efluentes, ainda que tratados, que ali chegam”.

O governante concluiu com uma “quarta dimensão” do trabalho desenvolvido até esta terça-feira, e que “começa agora”, o projeto Tejo Limpo, que representa um investimento de 3,6 milhões de euros para os próximos três anos.

“Temos de garantir que o sucesso que tivemos não foi uma coisa fátua e que se vai manter no tempo”, defendeu, tendo referido que a consolidação do processo de limpeza das águas do Tejo passa também pelo reforço de meios materiais e analíticos, a par de mais recursos humanos, como sejam os cinco novos vigilantes da natureza.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)