Camarões

Vídeo mostra soldados camaroneses a executarem uma dezena de pessoas

A difusão de um novo vídeo, que mostra a execução de uma dezena de pessoas por alegados soldados camaroneses, reacendeu a polémica sobre a atuação das forças armadas dos Camarões.

LUSA

Autor
  • Agência Lusa

A difusão de um novo vídeo, que mostra a execução de uma dezena de pessoas por alegados soldados camaroneses, reacendeu este domingo a polémica sobre a atuação das forças armadas dos Camarões, frequentemente acusadas de violação dos direitos humanos.

As imagens foram mostradas este domingo pela Amnistia Internacional (AI), mas já circulavam nas redes sociais.

O vídeo, com dois minutos, mostra 12 homens sem armas a serem executados a tiro contra um muro e, segundo a AI, “é verdadeiro”, tendo sido realizado na localidade de Agashishigasha, no norte dos Camarões, zona na qual as Forças Armadas combatem o grupo ‘jihadista’ Boko Haram.

Além de terem matado os 12 homens os soldados terão, alegadamente, incendiado casas.

A divulgação do vídeo ocorreu um dia depois do chefe do Governo Paul Biya ter admitido a autenticidade de outro similar que mostra a execução sumária de duas mulheres — supostamente terroristas, com os seus filhos.

O Governo ainda não emitiu, até ao momento, qualquer reação oficial.

O Conselho de Segurança da Organização das Nações Unidas (ONU) considerou na sexta-feira que os ataques terroristas do Boko Haram e Estado Islâmico “causaram uma larga e devastadora perda de vida, tiveram um impacto humanitário devastador, incluindo a deslocação de um grande número de civis na Nigéria, nos Camarões e no Chade, e representam uma ameaça para a estabilidade e a paz na África Central e Ocidental”.

Notou ainda “com particular preocupação o uso continuado pelo grupo radical Boko Haram de mulheres e raparigas como bombistas suicidas”, o que considerou que “criou uma atmosfera de suspeição para mulheres e raparigas, tornando-as alvo de assédio e estigmatização nas comunidades afetadas e de detenções arbitrárias pelas forças de segurança”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Crónica

Amorfo da mãe /premium

José Diogo Quintela

O Governo deve também permitir que, no dia seguinte ao trauma que é abandonar a criança no cárcere escolar, o progenitor vá trabalhar acompanhado pelo seu próprio progenitor. Caso precise de colinho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)