Rádio Observador

Dinamarca

Apresentadora da Fox News compara Dinamarca à Venezuela — e políticos dinamarqueses reagem

1.037

Trish Regan diz que ambos os países "socialistas" são responsáveis por roubarem "oportunidades" aos seus povos. Ministro das Finanças dinamarquês reagiu a desmentir os dados do emprego apresentados.

A apresentadora Trish Regan está na Fox News desde 2015

Getty Images

“Como disse Shakespeare, algo está podre na Dinamarca”, disse a apresentadora da Fox News Trish Regan, tentando citar a peça “Hamlet” para ilustrar o seu pensamento. O comentário de Regan partiu da situação na Venezuela — descrevendo a elevada inflação, os motins nas ruas e a subnutrição da população — e acabou na Dinamarca, com a apresentadora a concluir que os dois países “socialistas” são semelhantes, porque roubam “oportunidades” ao seu povo.

O vídeo provocou reações acesas na Dinamarca, sobretudo da parte de políticos, que se apressaram a desmentir muitos dos factos apresentados pela apresentadora.

“A Dinamarca, tal como a Venezuela, roubou as oportunidades ao seu povo. É nessa direção que queremos ir?”, questionou a apresentadora, depois de ter afirmado que os democratas norte-americanos querem seguir este modelo — que, segundo ela, é semelhante nos dois países. Para sustentar a sua teoria, Regan apresenta vários dados: a taxa de IRS é, segundo a apresentadora 56%; o desemprego é elevado porque, diz, apenas três cidades têm níveis de emprego superiores a 50%; e, acrescenta, “ninguém se licencia, ficam na escola mais tempo e mais tempo e mais tempo”, graças ao subsídio pago pelo Estado aos estudantes.

Em reação às declarações de Regan, vários políticos dinamarqueses reagiram, indignados, e apressaram-se a desmentir os dados apresentados pela apresentadora. Foi o caso do ministro das Finanças, Kristian Jensen, membro do partido de centro-direita Venstre. “Devia vir à Dinamarca para ser confrontada com os factos”, avisou o ministro, apresentando dados da OCDE que colocam a Dinamarca 11 lugares à frente dos Estados Unidos em termos de emprego a nível nacional.

O ministro deu ainda uma entrevista à agência Ritzau onde se disse “zangado” por ver “uma imagem tão errada da Dinamarca” a ser divulgada na televisão norte-americana. “A Trish pode pensar o que quiser sobre a Dinamarca, mas tem de ser numa base factual.”

A comparação com a Venezuela também não agradou ao ministro, segundo explica o jornal de língua inglesa em Copenhaga The Local: “A Venezuela é uma ditadura socialista. A Dinamarca é uma economia livre e regulada. Somos, de acordo com todas as estatísticas, uma das economias mais abertas e mais livres”, sublinhou. Jensen aproveitou ainda para comentar a situação nos Estados Unidos, dizendo que o país está numa situação “perigosa” porque o jornalismo político perdeu noção dos factos. “Todos têm direito às suas opiniões, mas ninguém tem direito aos seus próprios factos.”

O embaixador dinamarquês nos Estados Unidos, Lars Gert Lose, também reagiu no Twitter, publicando um documento com vários dados sobre a Dinamarca, como o facto de estar seis lugares acima dos EUA no Índice de Liberdade Económica da Fundação Heritage.

Também Dan Jørgensen, ex-ministro da Alimentação, Agricultura e Pescas do Partido Social Democrata (centro-esquerda), reagiu às declarações de Trish com humor. “Hoje em dia, todos os miúdos que se licenciam na Dinamarca querem começar cafés de cupcakes”, disse a apresentadora. O político reagiu desabafando: “Quem me dera que isso fosse [uma afirmação] correta, porque eu adoro cupcakes.”

O jornalista do The Local Michael Barrett também aproveitou para esclarecer alguns dos “factos” apresentados pela apresentadora da Fox News. De acordo com o jornalista, embora os cidadãos dinamarqueses com mais posses paguem impostos sobre os rendimentos acima dos 50%, a média dos dinamarqueses paga cerca de 34% de taxa de IRS, de acordo com dados do ministério dos Impostos de 2016.

Relativamente à acusação de que a maioria dos estudantes universitários arrasta os estudos e evita terminá-los, Barrett explica que não só a duração média para tirar uma licenciatura na Dinamarca está nos três anos, como esse valor tem vindo a ser reduzido ao longo dos anos.

Na sequência de todas estas reações, a apresentadora acabou por fazer uma clarificação na Fox News, dizendo que foi mal interpretada. “Nunca quis dar a entender que as condições na Dinamarca são semelhantes de que forma for às da tragédia atual que se vive na Venezuela”, disse. “Estava apenas a chamar a atenção, usando notícias da [revista] Atlantic, do [jornal] Independent e de outras publicações, que o socialismo não é o caminho.”

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: cbruno@observador.pt
Rússia

A síndrome de Istambul chegou a Moscovo /premium

José Milhazes

O Kremlin teria um sério teste à sua popularidade se permitisse a realização de eleições municipais em Moscovo e do governador de São Petersburgo limpas e transparentes. Mas isso não deverá acontecer.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)