Bloco de Esquerda

BE quer aproximar salários dos gestores e dos trabalhadores

1.933

BE quer que empresas com mais de 10 trabalhadores passem a divulgar as assimetrias salariais. A ideia é fixar um leque entre salários mais baixos e os mais altos e penalizar empresas que não cumpram.

ANTÓNIO COTRIM/LUSA

O Bloco de Esquerda (BE) quer diminuir a desigualdade salarial entre os gestores e os trabalhadores da mesma empresa em Portugal, avançando com um projeto de lei que abre a porta à fixação de rácios.

Em conferência de imprensa esta sexta-feira no Porto, o deputado bloquista José Soeiro fez a apresentação de uma proposta anunciada em junho pela coordenadora Catarina Martins. O Bloco remete para o Governo a definição do leque salarial que deve ser respeitado nas empresas, mas o objetivo é penalizar as empresas cujas disparidades salariais ultrapassem esse intervalo, nomeadamente ao nível dos concursos públicos, apoios e políticas públicas e benefícios fiscais.

A iniciativa surge uma semana depois de, em entrevista ao Expresso, o primeiro-ministro ter considerado inaceitáveis estas assimetrias salariais nas empresas, dando como exemplo o caso da EDP onde os salários do topo chegam a ser 200 vezes mais altos do que o salário mínimo.

No essencial, e depois de as empresas cotadas no PSI20 já serem obrigadas a fazê-lo, o BE quer que as empresas com mais de 10 trabalhadores passem a ter de “divulgar o seu leque salarial”, por forma a que o Governo, uma vez aplicado um “rácio para o público e para o privado”, possa “exigir a aplicação da lei”.

Perante a possibilidade de vir a ser considerada inconstitucional com a alegação “de que o Estado não pode interferir nas empresas privadas”, José Soeiro lembrou “haver mecanismos para o caso das dívidas fiscais das empresas, que ficam inibidas, por exemplo, de participar em concursos públicos”, que podem transitar para os casos de “incumprimento do rácio”.

Estamos abertos a uma discussão sobre o rácio”, revelou o deputado, aludindo à proposta que surgiu na “Suíça de 1/12”, da avançada em “França de 1/20” ou da considerada pelo “economista Peter Drucker de que não deveria exceder o 1/25” como exemplos para a discussão do projeto de lei que vai seguir para a Assembleia da República. Enfatizando que a ideia do BE “não foi fixar na lei o rácio”, mas sim “dar um prazo de 90 dias para que fosse fixado”, explicou-o à luz da vontade de “fixar primeiro um princípio e só depois discutir as concretizações”.

“Ainda não houve nenhum processo negocial formal sobre este projeto”, revelou José Soeiro sobre as conversas a haver com o PCP e com o PS, admitindo, no entanto, a existência de “contactos informais”.

O deputado recordou ainda que no último congresso dos socialistas foi aprovada uma moção da Juventude Socialista que apontava para a “fixação de um leque salarial à semelhança do que sucedeu na Suíça”.

Aludindo a “declarações de dirigentes políticos de várias áreas que vão no sentido do espírito desta proposta”, entre eles “o Presidente da República e o primeiro-ministro”, o deputado do BE entende chegado o momento de “passar das palavras à ação”.

À pergunta se essa reconversão salarial nas empresas não iria acabar por as prejudicar ou acabar por ditar a saída dos gestores por recusa em baixar o seu salário, José Soeiro defendeu “não haver relação entre vencimentos principescos e a boa gestão das empresas”.

Como exemplo disso, citou a “degradação do serviço postal prestado aos clientes” dos CTT que não impede Fernando Lacerda de ganhar “895 mil euros por ano, ou seja, cerca de 64 mil euros por mês”.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)