Pedro Santana Lopes

“Aliança”. O novo partido de Santana Lopes já tem nome e começa a ganhar forma

867

A saída do ex-primeiro-ministro do PSD pôs a comunidade política nacional à espera daquilo que seria o anunciado "novo partido" que iria criar. Este sábado ficou a saber-se um pouco mais.

MARIO CRUZ/EPA

“Aliança”: está escolhido o nome do novo partido que Pedro Santana Lopes vai criar e que, segundo avança o semanário Expresso, deverá arrancar já no início da próxima semana, com a recolha das assinaturas necessárias para que se formalize a criação desta força partidária.

Uma mensagem de união é aquilo que Santana Lopes visa promover, de acordo com o que o próprio afirmou — “Mostra que viemos para construir e para unir, na política e no país” — ao semanário, negando qualquer associação a movimentos políticos históricos como a Aliança Democrática  de Francisco Sá Carneiro, Diogo Freitas do Amaral e Gonçalo Ribeiro Telles nos anos 70/80.

Evitar rótulos ideológicos e ideias pré-formatadas aparentam ser os objetivos deste novo projeto político que o Observador anunciou com a publicação de uma carta do próprio Santana Lopes. Contudo, alguns pormenores do ADN do PSD serão partilhados: “Somos um partido personalista, liberalista e solidário. Europeísta, mas sem dogmas, sem sentir qualquer cartilha e que contesta a receita macroeconómica de Bruxelas”, explicou o próprio.

Por enquanto, Santana reconhece que o caminho “será difícil”, mas não entra em fatalismos ao afirmar que o podem “acusar de tudo” menos “de não conhecer” e não saber fazer política. “Queremos garantir representação política que nos permita participar no processo de decisão, seja no Governo seja na oposição”.

De acordo com a declaração de princípios que o Expresso cita, aparece vincado, por exemplo, um certo euroceticismo:

A União Europeia precisa de ser reformada e Portugal precisa de reforçar a sua atitude face à União” — assim como uma preocupação com a cultura, inovação e o mar. Está patente também o combate à desertificação e abandono de território — “imperativos absolutos” — e um reforço do papel do Estado na segurança e na justiça: “A celeridade da justiça e boas decisões judiciais são vitais para a confiança”.

No meio de tudo isto, porém, as áreas da Segurança Social e da Saúde são aquelas em que a Aliança irá mais longe, já que o partido reconhece a incapacidade do Estado em enfrentar o envelhecimento da população e isso, afirmam, deve ser compensado por “esquemas de previdência alternativas e individualizados”, disse Santana Lopes ao Expresso.

Uma ideia semelhante é aquela que defendem para o SNS, que deve ser estimulado através do “investimento em seguros de saúde eficazes” com o Estado a acompanhar o esforço dos portugueses através de “deduções fiscais efetivas” e sem esquecer o papel do “terceiro sector”, entenda-se, a intervenção da Santa Casa da Misericórdia e outras instituições que fazem parte da economia social.

No campo da economia Santana Lopes defende um Orçamento de Estado “equilibrado” e um rigoroso “controlo da despesa pública”, especificando dois caminhos prioritários: “Políticas de consolidação da dívida pública que não limitem tanto a margem de manobra orçamental” e uma “forte redução da carga fiscal”.

A única área que ainda se mantêm pouco clara (por enquanto) é a dos direitos, liberdades e garantias. “Respeitamos a liberdade religiosa e valorizamos a dimensão espiritual da pessoa. Rejeitamos as visões utilitarista e egoístas da vida humana”, lê-se nos excertos citados pelo Expresso.

De recordar que quando Santana Lopes se despediu do PSD afirmou que a decisão de abandonar o partido estava ligada à vontade de “intervir politicamente num espaço em que não se dê liberdade de voto quando se é confrontado com a agenda moral da extrema-esquerda”, mais uma prova de que o ex-presidente da Câmara Municipal de Lisboa era um dos maiores críticos da decisão de Rui Rio em dar liberdade de voto aos deputados quando a despenalização da eutanásia foi levada ao Parlamento, por exemplo.

De olhos postos na modernização

A grande pergunta é “Quem acompanha o ex-primeiro-ministro nesta nova aventura?”, mas por enquanto não haverá resposta. Santa Lopes garante ao semanário ter recebido o apoio de muitas pessoas, desde antigos simpatizantes do PSD e CDS a “gente de todas as idades que nunca estiveram na política”. Vai mais longe afirmando que está “genuinamente surpreendido com o apoio” que tem recebido e que já tem “assegurados representantes de todos os distritos, regiões autónomas e dos círculos de emigração”. A página online da Aliança deverá ficar operacional durante a próxima semana.

Uma das frases mais marcantes do ex-PSD é a de que “a Aliança vai provocar a modernização acelerada de todos os partidos”. Neste campeonato, as provas dessa aparente modernização materializam-se na grande aposta nas plataformas digitais que, ao mesmo tempo, ajudam a fugir às mais tradicionais (e dispendiosas) onde normalmente navegam as forças políticas: “Já me ofereceram espaços em sedes espalhadas por todo o país. Mas não faz sentido. Entrámos numa nova era de comunicação política”. Através da futura página do partido e da app que será entretanto criada, Santana quer receber “propostas, avaliações, criar um espaço de crowdfunding e de debate” para unir todos os simpatizantes.

O plano de comunicação da Aliança já está a ser delineado e terá como base um “estudo comparado” que analisou as melhores práticas dos “partidos mais atualizados” — vejam-se os exemplos do o Ciudadanos e o Podemos, em Espanha, ou do En Marche, de Emmanuel Macron, em França — e o próprio nome desta nova força política foi definido através de um focus group.

Mais para a frente, Santana planeia criar um comité executivo, composto por por sete pessoas, sendo que cada uma delas ficará responsável por uma área específica, explica ao semanário Expresso. Com isto pretende-se recusar a ideia de que a Aliança limita-se a ser “o partido do Santana” —  “Isto não é um partido pessoal. É um projeto coletivo”.

As desejadas alterações no sistema político português

As ambições desta Aliança de Santana pretendem ir a fundo na própria estrutura do sistema político português, defendendo uma modernização que se materializará, por exemplo, na” criação do Senado, com a representação das diferentes regiões do país”, que terá como objetivo aproximar o poder político dos eleitores.

Esta ideia de um parlamento bicameral é defendida por Pedro Santana Lopes há vários anos, veja-se o ano de 2004, por exemplo, quando durante o Governo de Durão Barroso, PSD e CDS chegaram a avançar com uma proposta que pretendia alcançar esta reformulação estrutural — acabaria por não ter qualquer sucesso. A Aliança quer então retomar esta discussão.

Outro aspeto estrutural é a da “tão falada e tão adiada” reforma do sistema eleitoral português, com a introdução de círculos uninominais, equilibrada com um outro círculo nacional. Isto tudo para garantir, lá está, uma aproximação “dos eleitores aos eleitos”.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: dlopes@observador.pt
Política

Deus nos ajude (em 11 pontos) /premium

Miguel Pinheiro

Em França, a nostalgia da guilhotina. Em Portugal, a opção económica pela ditadura. Na Aliança, eurocalmos misturados com eurofuriosos. Nos media, o Estado. No PSD e na JS, o pântano. Deus nos ajude.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)