Rádio Observador

Brasil

Brasil participa em reunião com Colômbia, Equador e Peru sobre êxodo venezuelano

O Brasil "confirmou a sua participação" na reunião, que decorrerá à porta-fechada a na qual os quatro países tentarão encontrar "estratégias conjuntas" para lidar com o êxodo venezuelano.

Geraldo Maia/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O Brasil vai participar, juntamente com a Colômbia, o Equador e o Peru, numa reunião que começa esta segunda-feira em Bogotá para procurar soluções regionais para o êxodo de milhares de venezuelanos que fugiram da crise no seu país.

Em comunicado, a agência de controlo migratório colombiana, Migración Colombia, indicou que, nas “últimas horas”, o Brasil “confirmou a sua participação” na reunião, que decorrerá à porta-fechada até terça-feira e na qual os quatro países tentarão encontrar “estratégias conjuntas” para lidar com o enorme número de cidadãos venezuelanos que diariamente atravessam as suas fronteiras.

No final, as autoridades migratórias dos quatro países divulgarão uma declaração da qual constará o acordado para gerir a questão dos migrantes venezuelanos. A Organização Internacional para as Migrações (OIM) advertiu na passada sexta-feira que a fuga dos venezuelanos para os países vizinhos “pode rapidamente transformar-se numa crise”.

Vemos ondas de violência no Brasil (contra venezuelanos na cidade fronteiriça de Pacaraima) e as medidas restritivas de alguns Governos (com a exigência de passaportes para entrada no Equador e no Peru) como o primeiro alerta de que uma situação difícil pode muito rapidamente transformar-se numa situação de crise, e temos de estar preparados”, disse o porta-voz da OIM.

Entretanto, no sábado, a justiça equatoriana suspendeu a exigência de passaportes aos migrantes venezuelanos, e, esta segunda-feira, a Amnistia Internacional veio instar o executivo peruano a recuar em relação a essa medida, aplicada desde sábado nas fronteiras do país e que fez cair para menos de metade a entrada de venezuelanos em território peruano.

Na semana passada, o diretor da Migración Colombia, Christian Krüger Sarmiento, sublinhou que “o êxodo de cidadãos venezuelanos não é um problema exclusivo da Colômbia, do Peru, do Equador, ou de um só país”, acrescentando que se trata de “um assunto regional” que como tal deve ser abordado.

O responsável salientou igualmente que os venezuelanos “não estão a deixar o seu país por gosto, mas como consequência de uma série de políticas de expulsão geradas por Nicolás Maduro”.

Cerca de 35.000 venezuelanos atravessam diariamente a fronteira com a Colômbia, alguns em busca de comida e medicamentos e outros para abandonar definitivamente o seu país, e pelo menos um milhão de venezuelanos já se instalou definitivamente na Colômbia.

O Peru é, a seguir à Colômbia, o segundo país que alberga mais migrantes venezuelanos, com cerca de 400.000 chegados no último ano, segundo dados oficiais de Migraciones de Perú, mas só cerca de 75.000 têm Autorização Provisória de Permanência (APP), ao passo que outros 100.000 estão ainda à espera de obtê-la.

No total, cerca de 2,3 milhões de habitantes fugiram da Venezuela por causa da crise política, económica e social em que está mergulhado o país, de acordo com os mais recentes números da ONU, que alertou para a grave falta de alimentos e medicamentos com que se debate a população do país com as maiores reservas de petróleo do mundo.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)