Donald Trump

Trump acusa Google de manipular pesquisas sobre ele próprio

158

Usando o Twitter, Trump acusou a Google de "manipular" as pesquisas sobre ele próprio, de forma a aparecerem apenas os conteúdos dos media liberais que veiculam "fake news". O assunto é "sério", diz.

Donald Trump publicou os tweets às 5h30 da manhã

Andrew Harrer / POOL/EPA

“Fake news”. Pelas 5h30 da manhã desta terça-feira (hora de Washington) Donald Trump escrevia no Twitter uma acusação feroz à Google e “outros” motores de busca. Segundo o presidente norte-americano, o gigante da internet está a “manipular” os resultados das pesquisas sobre si próprio de forma a mostrar apenas publicações dos chamados “fake media”. A situação, segundo Trump, é “muito séria” e tem de ser “discutida”.

No primeiro tweet, Trump faz a acusação, dando a cadeia televisiva CNN como exemplo: “Os resultados de pesquisa no Google para ‘Trump News’ mostram apenas a visão dos Fake News Media. Por outras palavras, estão MANIPULADOS, em relação a mim e a outros, para que quase todas as histórias e notícias sejam MÁS. A falsa CNN é proeminente. Os media republicanos/conservadores e justos são excluídos. Ilegal?”

Dez minutos depois, completava o raciocínio: “96% dos resultados sobre ‘Trump News’ provém de meios de comunicação social de esquerda, o que é muito perigoso. A Google e outros estão a calar as vozes dos conservadores e a esconder informação e notícias que são boas. Estão a controlar o que podemos e o que não não podemos ver. Esta é uma situação muito séria e que tem de ser discutida”.

Em resposta às críticas do presidente Donald Trump, fonte oficial da Google enviou ao Observador as seguintes declarações da empresa: “quando os utilizadores perguntam por algo na barra de pesquisa do Google, o nosso objetivo é garantir que os utilizadores recebam as respostas mais relevantes numa questão de segundos. A Pesquisa não é utilizada para definir uma agenda política e não distorcemos os nossos resultados para qualquer ideologia política.”

No mesmo comunicado, a tecnológica afirma também que “todos os anos desenvolvemos centenas de melhorias nos nossos algoritmos para garantir que, os mesmos, exibam conteúdo de alta qualidade em resposta às questões dos utilizadores. Trabalhamos, de forma contínua, para melhorar a Pesquisa Google e nunca classificamos os resultados da pesquisa de forma a manipular o sentimento político.”

O Washington Post fez uma breve análise à súbita crítica de Trump à Google, quando noutras ocasiões Donald Trump já tinha saído em defesa da multinacional, e levantou a questão: “Porque é que Trump estava a tweetar sobre isto às 5h30 da manhã de uma terça-feira?”. São duas as hipóteses mais viáveis, segundo a análise da jornalista Abby Ohlheiser: “Uma possibilidade — que muita gente parece estar a assumir — é que Trump estava a googlar ‘Trump news’ numa pequena investigação matinal sobre um dos seus tópicos preferidos: conspirações contra ele”.

Outra possibilidade, continua a jornalista, é que Trump estava a dar eco a um artigo publicado há dois dias no site conservador PJ Media, cujo título era “96% dos resultados das pesquisas no Google sobre Trump News provêm de meios de comunicação social liberais”. Segundo relata a jornalista, ironicamente ou não, o referido artigo era o que aparecia em primeiro lugar nas buscas por “Trump news” minutos depois de Trump ter publicado os tweets sobre o tema.

A verdade é que esta não é a primeira vez que os republicanos se queixam de conspiração contra a Google ou outras empresas de tecnologia. Em julho passado, os republicanos acusaram a Google, o Twitter e o Facebook de preconceito contra os conservadores numa audição no congresso sobre “filtragem de conteúdo” das principais empresas de tecnologia.

Trump ameaça também Facebook e Twitter

Depois da Google, o  presidente norte-americano, Donald Trump, ameaçou também os gigantes tecnológicos Facebook e Twitter, acusando-os de “amordaçar” os grupos conservadores. Estão a “pisar terrenos muito complicados”, pelo que devem ter “cuidado”, avisou.

“Eu acho que a Google se aproveitou verdadeiramente de muita gente. É um assunto muito sério e uma acusação muito grave”, disse Donald Trump aos jornalistas que se encontravam na sala oval, na Casa Branca, após um encontro com o presidente da FIFA, Gianni Infantino. “Se olharem para o que está a acontecer no Twitter, se olharem para o que está a acontecer no Facebook, então é melhor terem cuidado porque não podem fazer isso às pessoas”, sublinhou o presidente norte-americano.

“Google e Twitter e Facebook estão realmente a pisar território muito complicado e precisam de ter cuidado. Não é justo para grande parte da população”, acrescentou Trump, garantindo que a sua administração tem recebido, “literalmente, milhares e milhares de queixas” acerca das práticas das empresas tecnológicas.

*Notícia atualizada às 16h31 com resposta da Google às críticas do presidente dos Estados Unidos da América

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rdinis@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)