Rádio Observador

Militares

Abraços apertados marcaram regresso de militares da missão “intensa e exigente” na República Centro Africana

727

Quando os 156 militares, na maioria paraquedistas, aterraram no aeroporto militar de Figo Maduro cerca das 17h15, já tinham à espera centenas de familiares para o reencontro.

RODRIGO ANTUNES/LUSA

Abraços apertados e vozes de crianças a exclamar “pai, pai”, marcaram esta quinta-feira o regresso de 156 militares portugueses a solo nacional, após seis meses de missão na República Centro Africana, caracterizada pelo “ritmo intenso e desgastante”.

Quando os 156 militares, na maioria paraquedistas, aterraram no aeroporto militar de Figo Maduro cerca das 17h15, já tinham à espera centenas de familiares para o reencontro, marcado pelos abraços de saudades e pelas vozes impacientes das crianças, que exclamavam “pai, pai”.

Depois de seis meses num teatro de operações “bastante difícil”, o reencontro “emotivo” com a família acabou por ser “a parte mais fácil”, resumiu o sargento-ajudante Paulo Soares, em declarações à Lusa. “Aqui [na missão na RCA] nós estamos de facto perante grupos armados. Estamos preparados para isso, esperamos nunca entrar nessa situação, mas de facto desta vez aconteceu”, disse, admitindo que “foi marcante” e “muito intenso” ter estado debaixo de fogo.

Na RCA, marcada por “anos de guerra e intranquilidade” como sublinhou o chefe do Estado-Maior das Forças Armadas, Almirante Silva Ribeiro, a missão consistiu na proteção de civis perante a presença e a ameaça de grupos armados, visando a “promoção de um ambiente seguro que permita a entrega de ajuda humanitária”.

Para o sargento-ajudante Paulo Soares, que já tinha estado em missões no Líbano e na Macedónia, a experiência na RCA “vai servir para o futuro”: “é um povo que vive em condições muito difíceis, são explorados (…). Aprendemos a ser um bocadinho mais humildes e a viver com menos coisas e ser mais felizes”.

Depois de cerca de 15 minutos para “matar saudades”, os militares voltaram a formar no hangar do aeroporto de Figo Maduro para ouvir os discursos do CEMGFA e do ministro da Defesa Nacional, Azeredo Lopes, que disse ser “tempo de agradecer” as missões cumpridas “com bravura sem perder a gentileza”. Azeredo Lopes agradeceu o “equilíbrio e a coragem, e a ponderação” que registou na força portuguesa, deixando “uma palavra de ânimo e alegria pela total recuperação” dos três militares feridos.

Durante as operações realizadas pelo 3.º contingente português na MINUSCA, o Almirante António Silva Ribeiro destacou o “intenso e desgastante ritmo operacional, a ameaça permanente”, o “ambiente sociopolítico instável” e também as “condições climatéricas adversas” e o “terreno difícil e inóspito”, servido por “uma rede viária precária e degradada”.

“Um bocado emocionado”, o condutor-atirador Fábio, que tinha à sua espera “a noiva” não se quis “alongar” no testemunho, admitindo que esteve “em tensão” em vários momentos e que a pobreza do país o impressionou. Para já, disse, “não penso repetir” a experiência, mas “talvez mais tarde”.

A captura de elementos para “desarticular grupos armados para diminuir a criminalidade na zona, a 8 de abril”, a operação para “garantir a segurança e defender a Igreja de Nossa Senhora de Fátima, na capital, Bangui, a 8 de maio”, no seguimento de “massacre de civis no mesmo local” foram algumas das operações destacadas pelo CEMGFA, que assinalou o “espírito de sacrifício” dos militares.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)