Rádio Observador

Presidente Trump

Obama diz que Trump está “a capitalizar o medo e a raiva” dos cidadãos norte-americanos

182

Com o aproximar das eleições intercalares para eleger os membros do congresso norte-americano, em novembro, Barack Obama atacou Trump. Presidente diz que discurso do seu antecessor o fez "adormecer".

Getty Images

O ex-presidente dos Estados Unidos da América Barack Obama afirmou esta sexta-feira que Donald Trump “é um sintoma e não a causa” do ambiente crispado que se vive nos Estados Unidos. Com o aproximar das eleições intercalares nos EUA, em novembro, Obama quebrou o silêncio para abordar o estado da democracia norte-americano. Donald Trump não perdeu muito tempo e já respondeu, afirmando que Obama é “muito bom para dormir”.

No seu discurso na Universidade do Illinois, Obama apelou à audiência para que “faça a diferença” na hora de votar nas eleições, as “mais importantes” de que se lembra. “Isto não é normal, estes são tempos extraordinários e perigosos”, declarou o ex-presidente democrata, perante a audiência de estudantes.

Isto não começou com Donald Trump. Ele é um sintoma, não a causa. Ele está apenas a capitalizar os ressentimentos que os políticos têm alimentado há anos, um medo e raiva que estão enraizados em nosso passado, mas também nas crescentes revoluções que ocorreram nas vossas breves vidas”, disse Obama, referindo-se às divisões que existem nos Estados Unidos.

Lembrando os incidentes que envolveram confrontos entre manifestantes de extrema-direita, no ano passado, em Charlottesville (Virginia), Obama questionou a reação de Trump naquela altura. “É assim tão difícil? Dizer que os Nazis são maus?”, questionou Obama, lembrando que Trump se recusou a condenar o grupo.

“A maior ameaça para a nossa democracia não é Donald Trump (…), é a indiferença, o cinismo”, afirmou, num discurso muito aplaudido. “Nesta escuridão política vejo um despertar de cidadãos em todo o país”, disse Barack Obama, assinalando que “o que está em jogo” nas próximas eleições “é muito mais” do que qualquer rivalidade política.

“Quando há um vazio na nossa democracia, quando não votamos, quando damos por adquiridos direitos e liberdades fundamentais, outras vozes preenchem o vazio. A política do medo e do ressentimento tomam lugar”, advertiu.

Barack Obama mencionou o polémico editorial anónimo do New York Times, escrito por um alto funcionário da administração Trump, que afirmava estar a proteger o país contra as “piores inclinações” do presidente.

Eles não nos estão a fazer um favor a promover ativamente 90% das coisas malucas que estão a sair da Casa Branca e dizendo: ‘Não se preocupe. Estamos a evitar os outros 10%'”, declarou Obama.

O presidente Donald Trump estava numa ação de angariação de fundos para o partido Republicano em Fargo, no Dakota do Norte, quando um jornalista lhe perguntou se tinha ouvido o discurso de Obama. Mais tarde, perante os seus apoiantes, recordou a resposta que deu. “Sim, vi, mas adormeci”, atirou o 45º presidente americano. “Descobri que ele [Obama] é muito bom. Muito bom. Para dormir”, rematou o presidente.

“Eu acho que ele estava a tentar receber crédito. Eu acho que ele está a tentar ter crédito pelas coisas incríveis que estão a acontecer ao nosso país”, salientou o presidente Trump.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

Alguns mitos da democracia portuguesa /premium

André Abrantes Amaral

Alguns mitos desta democracia: que está tudo bem, que os portugueses são racistas e que a direita não existe porque é socialista. Contudo, como sucede com os verdadeiros mitos, estes também são falsos

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)