Rádio Observador

Racismo

Patrícia Mamona reage à polémica: “Por favor não me chamem Serena Williams”

994

A atleta olímpica Patrícia Mamona contou nas redes sociais que foi vítima de racismo à porta de uma discoteca em Lisboa. Depois da polémica, a atleta pediu: "Por favor não me chamem Serena Williams".

O caso de Patrícia Mamona lembra um outro, com Nélson Évora como protagonista, noutro espaço noturno de Lisboa

INÁCIO ROSA/LUSA

A atleta Patrícia Mamona, que em 2016 se sagrou campeã europeia do triplo salto, denunciou esta sexta-feira que foi vítima de racismo à entrada de um estabelecimento de diversão noturna em Lisboa. Através de uma publicação no Instagram, a atleta de 29 anos contou que foi impedida de entrar no espaço por alegadamente “não se enquadrar no perfil” da discoteca.

“Quando vês pessoal a entrar de chinelos e sem convite mas te tratam de maneira diferente porque tu e os teus black friends bem vestidos e tal não se enquadram no perfil do LUX. Triste mas acontece!”, escreveu Patrícia Mamona, em conjunto com uma fotografia da entrada do Lux Frágil.

Nos comentários na publicação, a atleta foi confrontada por várias pessoas que contaram ter tido experiências semelhantes e defenderam não se tratar de racismo mas sim de “seleção ao acaso” — ou seja, a alguns grupos é permitida a entrada e a outros não, sem qualquer motivo especial para isso. Em resposta, Patrícia Mamona explicou que os seguranças justificaram que o grupo não podia entrar porque tinham um “feeling e revelou que, mais tarde, voltou a ser abordada pelos mesmos seguranças quando estes a reconheceram.

“Eu sou a primeira pessoa a dizer que há muito pessoal que tem a mania de usar a carta do racismo para tudo o que acontece de mal…mas quando começas a ver o pessoal a entrar…ui! Não pode…ainda se estivéssemos mal vestidos…até percebia. Mas nem foi o caso…aliás, o que me foi dito é que foi um feeling, disseram-me isto, foi um feeling…não nos estavam a sentir”, acrescentou a atleta do Sporting.

Entretanto, Patrícia Mamona regressou ao Instagram para reagir a toda a polémica que a publicação na rede social criou. Num texto longo e dividido em duas imagens, a atleta do Sporting comentou e respondeu às mensagens de apoio que recebeu ao longo da manhã desta sexta-feira mas também às críticas.

“Incidentes acontecem, mas fiquei triste foi da maneira como os meus colegas foram tratados, porque estando eu do lado oposto com outro segurança foi algo diferente, este reconheceu-me e falou super bem comigo. Eu não estou triste por ter sido rejeitada, porque este nem foi o caso. Apenas queria saber porque é que lhes fizeram isso e se era possível darem-me um argumento plausível para tal situação. Mas era um feeling“, escreveu a atleta olímpica.

E continuou: “Acreditem que eu também detesto quando as pessoas usam o ‘racial card‘ como desculpa das coisas más que acontecem (…) mas também aqueles que criticam negativamente podem estar a ser incorretos ao criticarem esta situação em particular quando nenhum de vocês estava presente. (…) Racismo ou não, não sei, espero que tenha sido ilusão minha, discriminação provavelmente, mas já passou! Por favor não me chamem de Serena Williams, estou apenas a ser eu, e desculpem se ofendi alguém por ser eu.”

View this post on Instagram

ppart 1 Por favor, não aos conflitos verbais e essa não é a minha intenção. Incidentes acontecem, mas fiquei triste foi da maneira como os meus colegas foram tratados, porque estando eu do lado oposto com outro segurança foi algo diferente, este reconheceu-me e falou super bem comigo e mas eu perguntei-lhe porque é que estavam a fazer isso com os meus colegas (Eu não estou triste por ter sido rejeitada, porque este nem foi o caso). Apenas queria saber porque é que lhes fizeram isso e se era possível darem me um argumento plausível para tal a situação. Mas é era um “Feeling”. Não consegui ficar indiferente á situação e fiz o post. Quem não estava lá não sabe o que aconteceu e nem do que foi dito, e admito que posso ter sido incorreta da minha parte usar o termo “black friends”( e por isso vos peço desculpa, mas todos que lá estavam presentes perante a sucessão de acontecimentos pensaram o mesmo, eu do lado oposto a ter uma conversa tranquila com uns dos seguranças e do outro lado os meus amigos a verem carradas de pessoas a entrarem sem qualquer tipo de questionário, não lhes cobram o mesmo valor de entrada, entre outros; acreditem que eu também detesto quando as pessoas usam “racial card” como desculpa das coisas más que acontecem, sou black e penso isso até é demais; tipo ah não tenho emprego porque sou black, neps ás vezes é mesmo porque não estudaste) mas também aqueles que criticam negativamente podem estar a ser incorretos ao criticarem esta situação particular quando que nenhum vocês não estava presente. Peço desculpa a quem gosta do Lux acredito fielmente que seja um bom sítio e divertido, que tenham pessoas simpáticas livres de qualquer tipo de discriminação, porque muita gente aqui fala super bem, e foi o que nos levou a ir para lá inicialmente. Acabei apenas por exprimir o que assisti e o que estava a sentir. Há muita gente que é barrada, já percebi que que sim, mas se há, gostava apenas que houvesse um bom argumento para tal! Ter um “Feeling” (nem sei que tipo de feeling é esse) para mim não foi um bom argumento. Contudo fiquem descansados que situação foi facilmente resolvida da maneira que achamos correta, fomos embora e prontos. #movefoward

A post shared by PATRÍCIA MAMONA (@patriciamamona) on

View this post on Instagram

Part 2 Ter um “Feeling” (nem sei que tipo de feeling é esse) para mim não foi um bom argumento. Contudo fiquem descansados que situação foi facilmente resolvida da maneira que achamos correta, fomos embora e prontos. Como muitos dizem aqui, deal with it Patrícia , percebi a mensagem! Racismo ou não, não sei, espero que e tenha sido ilusão minha, discriminação provavelmente, mas já passou! Aos meus amigos que diziam que nunca mais iam lá voltar, opa deixem-lá… Eles lá tem as suas ter as suas razões… Por favor não me chamem de Serena Williams, estou apenas a ser eu, e desculpem se ofendi alguém por ser eu. Tenho uma época desportiva muito difícil pela frente , e é isso que tenho que me focar. Aprender a lidar com as situações que aparecem por mais difícil que sejam , o caminho é em frente, tudo isto é uma lição de vida. Vamos a dar a volta por cima e deixar bem claro aos meus amigos estrangeiros que nós Portugueses sabemos SIM tratar bem das pessoas, e não é só porque alguém que estava de mau humor não os deixou divertir uma noite numa discoteca que temos que voltar para casa tristes… há outros sítios para ir e para a próxima isto já não acontece. Foi apenas um segurança que não deixou entrar… amanhã o outro deixa! ???? #keepmovingfoward

A post shared by PATRÍCIA MAMONA (@patriciamamona) on

Contactado pelo Observador, o Lux Frágil garantiu que vai averiguar a situação e adiantou que não foi feita qualquer reclamação pelo grupo em questão.

Este caso recorda um outro — também com um atleta do triplo salto como protagonista. Em 2014, Nélson Évora recorreu também às redes sociais para denunciar que tinha sido vítima de racismo à entrada da discoteca Urban Beach, em Lisboa. “Éramos um grupo grande, 16 pessoas e com mesas pré-reservadas. Quando chegámos à porta negaram-nos o acesso. Disseram-nos que estavam demasiados pretos no grupo”, escreveu na altura o atleta olímpico.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt
Racismo

O mérito não tem cor de pele nem etnia

João Pedro Marques
381

Os activistas querem implementar quotas e outros mecanismos compensatórios e precisam desesperadamente de argumentos científicos para justificar esse seu propósito. É gato escondido com rabo de fora.

Europa

Para uma etiologia da “política de identidades”

Guilherme Valente

É a ameaça de uma sociedade comunitarista, fragmentada, tribalizada e regressiva que se configura. Anti-humanista e anti-universalista, contra o melhor do espírito europeu. E contra uma Europa unida.

Racismo

Quotas? Pura campanha política

Teresa Cunha Pinto
135

O verdadeiro racismo reside em aceitar que determinada etnia precisa de medidas especiais para chegar a certos lugares. Se há constrangimentos a este nível não serão as quotas que os vêm diminuir.

Racismo

Liberdade ou violação dos Direitos Humanos?

João André Costa

Distopia é esta vergonha de viver num país e numa língua onde não existe uma palavra para quem tem a pele negra. Preto? É insultuoso. Negro? Negros eram os escravos. Pessoas de cor? É supremacista.  

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)