Rádio Observador

Museus

Polémica sobre o Museu das Descobertas já chegou ao The Guardian

141

A polémica sobre o Museu das Descobertas, que fazia parte do programa de Fernando Medina para as autárquicas de 2017, já chegou ao jornal inglês The Guardian.

O jornal inglês explicou toda a polémica em torno do Museu das Descobertas

A polémica sobre o Museu das Descobertas já chegou ao Reino Unido e, mais especificamente, ao diário The Guardian. O jornal inglês publicou este domingo um artigo onde conta a história da proposta de Fernando Medina, aquando das eleições autárquicas de outubro de 2017, que provocou debate e polarizou opiniões na sociedade portuguesa.

O The Guardian começa por dizer que a proposta elaborada pelo atual presidente da Câmara de Lisboa na altura da campanha eleitoral não desvendava grandes pormenores, nem sobre a localização do novo museu nem sobre as exposições que ali estariam, e indicava apenas que o espaço museológico iria cobrir “os aspetos mais e menos positivos” dos Descobrimentos e incluiria “uma área dedicada ao tópico da escravatura”.

O jornal sublinha que a proposta passou despercebida até abril, quando o Expresso publicou uma carta aberta assinada por mais de 100 académicos portugueses e internacionais contra a primeira proposta de nome, que consideravam “obsoleto, incorreto e cheio de significados errados”. O The Guardian diz que a carta abriu espaço para artigos de opinião em vários jornais e debates na televisão sobre o assunto e cita mesmo duas das opiniões veiculadas na altura, ambas no jornal Público: a do colunista João André Costa e a do diretor Manuel Carvalho, que em junho escreveu um artigo intitulado “O duro fardo de ser português”.

“Portugal foi o elemento líder no mercado de escravos no Atlântico e pensa-se que os seus navios transportaram quase metade dos 12.5 milhões de escravos africanos. Ainda assim, Portugal tem-se considerado há muito tempo como ‘o bom colonizador’, citando o facto de que as relações interraciais floresceram no Brasil e em Cabo Verde como prova de que as práticas coloniais eram de alguma forma ‘mais suaves’ do que as das outras potências europeias”, escreve o The Guardian, para logo de seguida dizer que “as provas históricas recusam essa leitura”.

O jornal inglês refere ainda que António Costa, “o primeiro-ministro português cuja família tem origens em Goa”, também entrou no debate, quando disse em entrevista que “devemos ter orgulho em conseguirmos lidar, em Portugal, com esse período da história em que demos indubitavelmente o nosso maior contributo ao mundo”.

A polémica em torno do Museu das Descobertas – cuja edificação estava planeada para a zona da Ribeira das Naus, junto ao Terreiro do Paço – já provocou ziguezagues no nome do novo espaço museológico e uma mudança de local. De Museu das Descobertas já passou a Museu da Descoberta, sem o plural, e uma notícia do jornal i, em maio, dizia que afinal se iria chamar “A Viagem” e seria construído entre o Jardim do Tabaco e o cais dos paquetes.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mfernandes@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)