Venezuela

Colômbia recusa extraditar político suspeito de atentado contra Maduro

A Colômbia anunciou que não vai extraditar o político da oposição venezuelana Júlio Borges, ex-presidente do parlamento, acusado de alegado envolvimento no atentado contra o Presidente Nicolás Maduro.

MAURICIO DUENAS CASTANEDA/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Colômbia anunciou, segunda-feira, que não vai extraditar o político da oposição venezuelana Júlio Borges, ex-presidente do parlamento, acusado de alegado envolvimento no atentado de 04 de agosto contra o Presidente Nicolás Maduro.

“Nós não vamos extraditar Júlio Borges. Nós não vamos extraditar um perseguido político para que uma ditadura abuse dos seus direitos humanos”, anunciou o Presidente da Colômbia, Iván Duque.

O anúncio foi feito durante uma conferência de imprensa, nos EUA, na sede das Nações Unidas. Segundo Iván Duque “seria absurdo” atender o pedido de extradição da Venezuela e entregar “uma pessoa que está a lutar pelas liberdades do seu povo”.

Por outro lado insistiu que a Colômbia continuará a apoiar o povo venezuelano, a pedir a liberdade dos presos políticos e “um verdadeiro e efetivo caminho” para “uma transição democrática que devolva as liberdades” ao vizinho país.

A 04 de agosto, duas explosões – que as autoridades dizem terem sido provocadas por dois drones – obrigaram o Presidente da Venezuela a abandonar rapidamente uma cerimónia de celebração do 81.º aniversário da Guarda Nacional Bolivariana (polícia militar).

O Governo venezuelano tem insistido vários vezes que Júlio Borges, atualmente radicado na Colômbia, está envolvido no atentado falhado, acusações que o ex-presidente do parlamento venezuelano desmente.

Borges, que lidera o partido da oposição Primeiro Justiça, já reagiu ao anúncio do Presidente da Colômbia, agradecendo o seu apoio.

“[Estou] Agradecido com o Presidente Ivan Duque e o povo da Colômbia. Isto é mais uma amostra do apoio ao trabalho que temos vindo a realizar com a comunidade internacional. Estamos a articular um consenso em toda a América para que se considerem todas as opções e conseguir a saída de [Nicolás] Maduro”, escreveu na sua conta na rede social Twitter.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Venezuela

Um objeto imóvel encontra uma força imparável

António Pinto de Mesquita

Num dos restaurantes mais trendy de Madrid ouve-se o ranger de um Ferrari que para à porta. Dele sai um rapaz novo, vestido com a última moda. Pergunta-se quem é. “É filho de um general venezuelano”.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)