Carmen Calvo, vice-presidente e ministra da presidência, relações com as cortes e igualdade do governo espanhol, afirmou esta quinta-feira que é necessário um debate a nível europeu para regular a liberdade de expressão nos meios de comunicação, avança o El Español. As afirmações foram feitas em Madrid, nas XVI Jornadas do Jornalismo Coca Cola, promovida pela Associação de jornalistas europeus.

A liberdade de expressão não resiste a tudo, como bem sabemos e deixaram claras inúmeras sentenças dos tribunais. (…) Temos de começar a olhar para que tipo de regulação é precisa na União Europeia e começar a tomar decisões sobre esta matéria”, disse Carmen Calvo.

“Já há países a tomarem decisões” quanto à regulação para a liberdade de expressão, referiu a política. “Estão-se a implementar [medidas] em França, Alemanha, Reino Unido e Itália”, disse. Calvo continuou e afirmou que estes países estão “a abandonar a premissa de que a melhor lei que regula a liberdade de expressão é o direito à informação é a que não existe”.

O timing para as afirmações não foi o melhor. Esta semana foram divulgadas na imprensa espanhola gravações secretas feitas à ministra da Justiça do mesmo governo, Dolores Delgado, em que esta afirma ter vistos magistrados com “raparigas menores” e chama “maricas” ao ministro do interior. Isto numa conversa com Manuel Villarejo, homem que Dolores tinha dito que não conhecia.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Para Calvo a razão para regular mais a liberdade de expressão é a “segurança”. A “situação é inquietante” para a responsável do governo espanhol e diz que o que está em causa também “é a viabilidade do modelo democrático”. “A mentira é paga com a qualidade da democracia”, continuou Calvo, que referiu que os meios de comunicação social jogam com uma base da democracia.

A vice presidente não descura que “a informação é necessária”. Contudo, o que refere como problema é que é preciso efetivar a verdade. “Há maiorias absolutas em que os cidadãos não confiam no que leem e no veem”, constatou. A razão é o “bombardeio” de notícias falsas.