No ano passado foram registados 12.300 assaltos, uma média de quase 34 por dia. É preciso especial cuidado durante as férias grandes e o Natal, alturas em que, por regra, este tipo de eventos ocorre com mais frequência nas cidades, já que há boas hipóteses de se apanhar a casa desocupada.

Os sistemas de alarme Prosegur

Os sistemas de alarme Prosegur são, à partida, excelentes dissuasores de intrusos. Mas no caso improvável de estes conseguirem passar essa barreira, cabe ao dono da casa ser criativo na forma como esconde o dinheiro, jóias e restantes bens preciosos no interior da residência. Aqui ficam cinco ideias que não incluem o clássicodebaixo do colchão”.

No congelador

Contas congeladas? É mais ou menos isso: faça um embrulho com várias notas dentro de papel de alumínio, de modo a que se assemelhe a um qualquer produto alimentar, e guarde-o dentro de um saco de congelação numa das gavetas do congelador, local que é muito pouco provável de ser explorado durante um assalto.

Dentro de um vaso

Plantas em casa são úteis não só para embelezar a dita mas também para esconder objetos preciosos no meio da terra. Mais uma vez pode utilizar um saco de congelação ou semelhante, e colocar dinheiro ou outros bens de valor no seu interior, dentro da terra, de preferência num vaso de grandes dimensões.

No aquário

Se tiver um aquário suficientemente grande, pode enterrar os seus bens preciosos — respetivamente acondicionados — no fundo, debaixo da areia, ou até, quem sabe, usar uma peça de decoração, como um navio ou um jarro, e usar o seu interior como esconderijo. Os peixes não se incomodarão, com certeza.

Fundos falsos

Esta opção pode envolver algum trabalho de carpintaria — imagine, por exemplo, aproveitar o degrau de uma escada, uma mesa, ou até mesmo tacos de madeira ou tábuas corridas. Não é preciso inventar muito nem alterar o seu aspeto exterior, criando apenas uma espécie de tampa que permita aceder ao seu interior e guardar aí tudo o que se pretender.

Em tomadas desactivadas

Em certas casas existem tomadas que estão desactivadas, seja por falta de uso ou por obsoletismo — como as que serviam de ligação a antenas parabólicas ou cabo. As respetivas tampas podem ser facilmente retiradas (e colocadas posteriormente), aproveitando-se o seu interior como um esconderijo altamente improvável.

Siga-nos em https://observador.pt/seccao/aqui-nao-ha-alarme/