Genética

Há 4.500 anos uma invasão acabou com os homens da Península Ibérica

1.584

Invasão de yamnayas, um grupo vindo do Leste Europeu, levou a que quase todos os homens da Península Ibérica fossem apagados do mapa. Mulheres foram poupadas e isso influenciou código genético.

Mashable/UNIVERSITY OF LEICESTER ARCHAEOLOGICAL SERVICES (ULAS)

Uma invasão de yamnayas — um grupo vindo do Leste europeu — apagou praticamente do mapa os homens que viviam na Península Ibérica há cerca de 4.500 anos, segundo um estudo científico noticiado pelo El País. Os yamnayas contavam com uma inovação tecnológica que lhes permitiu ocupar rapidamente as terras na península: veículos com rodas. Os invasores, segundo uma equipa internacional de cientistas, liquidaram os “machos” que então viviam na península e pouparam as mulheres. ”

O encontro entre estes dois povos não foi amigável, sendo que os yamnayas dizimaram quase por completo os homens locais”, segundo David Reich, o geneticista norte-americano que anunciou a descoberta num evento organizado em setembro pela revista NewCientist (edição parcialmente fechada). Os yamnayas eram um grupo de pastores nómadas do Leste Europeu que há cinco mil anos decidiu partiu à conquista de terrenos no Ocidente e invadiu a Península Ibérica.

O El País cita também um especialista espanhol, Íñigo Olalde, que disse numa conferência em Jena, na Alemanha, que a chegada dos invasores teve “um impacto genético rápido e generalizado” e que, na sequência disso, as populações que se seguiram, da Idade do Bronze, tinha, “40% da informação genética e 100% dos seus cromossomas Y a partir dos yamnayas”. Ora, como o cromossoma Y é herdado de pais, isso significa que “os homens que chegaram tiveram um acesso preferencial às mulheres locais, forma repetida vezes”, explicou David Reich.

O estudo analisou o DNA de restos mortais de 153 indivíduos, descobertos na Península Ibérica e que aguardam publicação numa das mais importantes do mundo. É por isso que Reich e Olalde se recusam a dar, por agora, mais detalhes da investigação.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Cancro

Dia Internacional das Crianças com Cancro

João de Bragança
2.282

O mundo doloroso das crianças e jovens com cancro é isto: a falta de leis, de apoios sociais, de condições ou de políticas, o excesso de protagonismos ou de pequenas lutas próprias.

Medicina

O perigo da ilusão da credibilidade na opinião

João Júlio Cerqueira e Miguel Mealha Estrada
2.052

Não existe uma medicina e uma medicina alternativa, nem uma realidade e uma realidade alternativa. Só há uma medicina, a que funciona. E uma realidade, a que os terapeutas alternativos teimam em negar

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)