Rádio Observador

Emmanuel Macron

Macron condiciona participação na cimeira de Istambul, Merkel e Putin confirmam presença

Emmanuel Macron, só participará na cimeira em Istambul sobre a Síria se não ocorrer entretanto uma ofensiva militar em Idlib, bastião insurgente que Damasco quer reconquistar.

YOAN VALAT/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O presidente francês, Emmanuel Macron, só participará na cimeira em Istambul sobre a Síria se não ocorrer entretanto uma ofensiva militar em Idlib, bastião insurgente que Damasco quer reconquistar, indicou esta sexta-feira a presidência francesa.

“A França participará na cimeira a não ser que haja uma ofensiva militar em Idlib. Consideraremos nesse caso não estarem reunidas as condições para que a cimeira se realize”, disse o Eliseu, pouco depois do anúncio do encontro que deve reunir, a 27 de outubro em Istambul, os presidentes turco, Recep Tayyip Erdogan, russo, Vladimir Putin, e a chanceler alemã, Angela Merkel, além do presidente francês.

Segundo a presidência turca, a cimeira discutirá nomeadamente a situação em Idlib, último grande bastião da oposição na Síria, e “o processo político” para resolver o conflito que devasta o país desde 2011.

A Rússia, aliada do presidente sírio, Bashar al-Assad, e a Turquia, que apoia rebeldes, assinaram a 17 de setembro um acordo sobre a criação de uma zona desmilitarizada para separar os territórios dos insurgentes em Idlib dos setores vizinhos controlados por Damasco, mas a sua aplicação continua incerta.

O prazo para a criação desta “zona-tampão” terminou na segunda-feira sem que tenham sido respeitadas no terreno algumas das disposições do acordo. Moscovo e Ancara deram um novo prazo aos ‘jihadistas’ da província de Idlib para abandonarem a zona desmilitarizada.

“A prioridade da França é apoiar o cessar-fogo na província de Idlib, para evitar uma catástrofe humanitária e uma nova vaga de refugiados, e o lançamento efetivo de um processo político inclusivo”, indicou uma fonte da presidência francesa.

O acordo russo-turco foi assinado para evitar uma ofensiva do regime de Bashar al-Assad ao último grande bastião rebelde sírio, cujos potenciais efeitos catastróficos para a população civil preocupa a comunidade internacional.

Em Berlim, uma porta-voz de Merkel, Martina Fietz, confirmou a realização da cimeira a quatro.

Além da situação de Idlib, a porta-voz disse que será discutida na cimeira “a continuação do processo político, sob égide da ONU, em particular o início dos trabalhos de uma comissão sobre a Constituição”.

Segundo Fietz, Merkel “quer (…) trabalhar num processo de estabilização da Síria e vê na Rússia, enquanto aliado do regime de Assad, um parceiro que têm uma responsabilidade particular”.

O Kremlin também confirmou, num comunicado, a presença de Putin na cimeira, precisando que as discussões serão sobre o modo “de fazer avançar o processo político na Síria, assim como sobre outras medidas suscetíveis de reforçar a segurança e a estabilidade e de criar as condições propícias ao regresso dos refugiados”

A guerra da Síria já matou mais de 360.000 pessoas e obrigou milhões a abandonarem as suas casas.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)