Rádio Observador

Aníbal Cavaco Silva

“Hábil profissional da política”. Cavaco diz que elogiou António Costa no livro

111

O antigo Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, em entrevista à SIC, falou de António Costa e disse que elogiou o primeiro-ministro: "Inglaterra tem deputados como profissionais da política."

Aníbal Cavaco Silva, antigo presidente da República Portuguesa, lançou o segundo volume do seu livro de memórias

ANDRE DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Foi a segunda entrevista sobre o segundo volume das suas memórias que o antigo presidente da república Aníbal Cavaco Silva deu esta sexta-feira. O antigo Chefe de Estado começou a manhã desta sexta-feira a falar com a TSF, e, à noite, foi entrevistado pela SIC. Na entrevista, fez questão de esclarecer que ao referir António Costa no seu livro com “um hábil profissional da política”, estava a fazer um elogio.

Retive a ideia de que [António Costa] era um homem pessoalmente simpático e bem-disposto, de sorriso fácil. Um hábil profissional da política, um artista da arte de nunca dizer não aos pedidos que lhe eram apresentados. Uma habilidade patente na sua política de equilíbrio entre a satisfação dos interesses do PCP e do BE e das exigências de disciplina orçamental da Comissão Europeia”, escreveu Cavaco Silva nas suas memórias.

Na entrevista ao canal de televisão, o antigo chefe das forças armadas falou ainda do antigo líder do CDS-PP, Paulo Portas, e do antigo secretário-geral do PS, António José Seguro. Foi a “falta de autoridade” do político socialista que não permitiu um governo de “salvação nacional”, diz o antigo presidente.

Já quanto ao governo de Passos Coelho, Cavaco referiu que a política de comunicação foi um dos principais pontos que falharam, apesar de passar uma mensagem “verdadeira”. Quanto à governação socialista atual, Cavaco Silva disse que existe um “aumento de impostos indiretos que são injustos” nas escolhas que têm sido feitas e que têm recebido o aval do PCP e do Bloco de Esquerda, reafirmando que os dois partidos “se curvaram” ao PS.

Quanto à ausência de Ricardo Salgado, antigo líder do BES, do livro, Cavaco defendeu-se, dizendo que é preciso ter confiança no verdadeiro regulador dos bancos, o Banco de Portugal. Não falou de Salgado como “de nenhum outro” banqueiro, afirmou. “O Presidente não exerce o domínio financeiro”, reiterou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Crónica

Cavaco não tem saco para falar do saco /premium

Tiago Dores

Cavaco sempre foi um homem das contas. Menos das contas relativas ao financiamento da sua campanha para as Eleições Presidenciais de 2011. Dessas não fazia ideia rigorosamente nenhuma, como é óbvio.  

Política

Manual de evasão governamental /premium

Rui Ramos
527

A estagnação da economia e a estatização da sociedade tinham de dar nisto, numa política reduzida a um círculo fechado de amigos e de parentes. Mas em vez de enfrentarmos isso, ataquemos Cavaco Silva.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)