Aníbal Cavaco Silva

“Hábil profissional da política”. Cavaco diz que elogiou António Costa no livro

111

O antigo Presidente da República, Aníbal Cavaco Silva, em entrevista à SIC, falou de António Costa e disse que elogiou o primeiro-ministro: "Inglaterra tem deputados como profissionais da política."

Aníbal Cavaco Silva, antigo presidente da República Portuguesa, lançou o segundo volume do seu livro de memórias

ANDRE DIAS NOBRE / OBSERVADOR

Foi a segunda entrevista sobre o segundo volume das suas memórias que o antigo presidente da república Aníbal Cavaco Silva deu esta sexta-feira. O antigo Chefe de Estado começou a manhã desta sexta-feira a falar com a TSF, e, à noite, foi entrevistado pela SIC. Na entrevista, fez questão de esclarecer que ao referir António Costa no seu livro com “um hábil profissional da política”, estava a fazer um elogio.

Retive a ideia de que [António Costa] era um homem pessoalmente simpático e bem-disposto, de sorriso fácil. Um hábil profissional da política, um artista da arte de nunca dizer não aos pedidos que lhe eram apresentados. Uma habilidade patente na sua política de equilíbrio entre a satisfação dos interesses do PCP e do BE e das exigências de disciplina orçamental da Comissão Europeia”, escreveu Cavaco Silva nas suas memórias.

Na entrevista ao canal de televisão, o antigo chefe das forças armadas falou ainda do antigo líder do CDS-PP, Paulo Portas, e do antigo secretário-geral do PS, António José Seguro. Foi a “falta de autoridade” do político socialista que não permitiu um governo de “salvação nacional”, diz o antigo presidente.

Já quanto ao governo de Passos Coelho, Cavaco referiu que a política de comunicação foi um dos principais pontos que falharam, apesar de passar uma mensagem “verdadeira”. Quanto à governação socialista atual, Cavaco Silva disse que existe um “aumento de impostos indiretos que são injustos” nas escolhas que têm sido feitas e que têm recebido o aval do PCP e do Bloco de Esquerda, reafirmando que os dois partidos “se curvaram” ao PS.

Quanto à ausência de Ricardo Salgado, antigo líder do BES, do livro, Cavaco defendeu-se, dizendo que é preciso ter confiança no verdadeiro regulador dos bancos, o Banco de Portugal. Não falou de Salgado como “de nenhum outro” banqueiro, afirmou. “O Presidente não exerce o domínio financeiro”, reiterou.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mmachado@observador.pt
Política

Manual de evasão governamental /premium

Rui Ramos
527

A estagnação da economia e a estatização da sociedade tinham de dar nisto, numa política reduzida a um círculo fechado de amigos e de parentes. Mas em vez de enfrentarmos isso, ataquemos Cavaco Silva.

Governo

Como impedir o "bingo da trafulhice"? /premium

Luís Rosa
238

Podemos mesmo confiar em políticos que não quiseram defender a transparência e querem agora construir às três pancadas' uma lei para evitar novos familygate? Só pode ser uma receita para o desastre.

Filhos

Guarda conjunta em residência alternada /premium

Eduardo Sá

A recomendação de ser “regra” o regime de guarda conjunta com residência alternada, se mal gerida, pode trazer a muitas crianças uma regulação da responsabilidade parental mais populista do que justa.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)