Agricultura

Aprovados 55 projetos de regadio agrícola

Cinquenta e cinco projetos de regadio agrícola estão aprovados no país com um investimento de 278 milhões de euros, estando 18 em obra, disse esta sexta-feira à agência Lusa o ministro da Agricultura.

JOSÉ SENA GOULÃO/LUSA

Cinquenta e cinco projetos de regadio agrícola estão aprovados no país com um investimento de 278 milhões de euros, estando 18 em obra, disse sexta-feira à agência Lusa o ministro da Agricultura.

Do Programa Nacional de Regadios, “já estão aprovados 55 projetos, a que corresponde um montante global de investimento de 278 milhões de euros, alguns dos quais estão já em fase de obra, como o que irei visitar [esta sexta-feira] em Óbidos/Bombarral, e outros aguardam estudo de impacto ambiental”, afirmou Luís Capoulas Santos.

Dezoito dos 55 projetos estão em obra e totalizam um investimento de 86 milhões de euros.

Entre os projetos aprovados para a construção ou renovação de sistemas de rega para a agricultura, estão investimentos em Óbidos/Bombarral, no distrito de Leiria (25 milhões de euros), Vila Franca de Xira, Lisboa (mais de 30 milhões de euros), e Campo Maior, Portalegre (25 milhões de euros).

Juntam-se investimentos em Alfândega da Fé, Vila Flor, Mirandela e Macedo de Cavaleiros (no distrito de Bragança), Chaves (Vila Real), Soure (Coimbra), Marinha Grande e Alcobaça/Nazaré (Leiria), e Vale do Sado, Alcácer do Sal e Santiago do Cacém (Setúbal).

Acrescem projetos em Montemor-o-Novo, Alandroal, no canal de Álamos, um subsistema da barragem do Alqueva, Mourão e Redondo (no distrito de Évora), Odemira (Beja), Silves, Castro Marim e Lagos (Faro).

O Plano Nacional de Regadios tem previsto um investimento de 560 milhões de euros até 2023. Sessenta por cento dos projetos corresponde à construção de novos sistemas de rega e os restantes 40% à remodelação de outros já existentes.

Capoulas Santos adiantou à Lusa que o Governo quer “dotar o país de mais cerca de cem mil hectares de novos regadios, entre novos regadios e a requalificação de outros já existentes, uma forma de mitigar as alterações climáticas e de reduzir custos de produção”.

“É uma resposta muito importante para um país que quer continuar a ver a sua agricultura a crescer acima do resto da economia, que quer continuar a crescer nas exportações, que este ano registam um crescimento de 6% face ao ano passado”, frisou o ministro da Agricultura, Florestas e Desenvolvimento Rural.

Estes investimentos vão permitir criar 10.500 postos de trabalho na agricultura, estima o governante.

Até ao final deste ano, o Ministério da Agricultura deverá, ainda, lançar concursos para outros investimentos que ascendem a 282 milhões de euros, um dos quais é a ampliação do sistema da barragem do Alqueva, abrangendo mais 55 mil hectares de terrenos agrícolas.

O ministério está também a negociar financiamento do próximo quadro comunitário para a segunda fase de investimento do programa, de modo a abranger pelo menos mais 100 mil hectares.

Capoulas Santos e o primeiro-ministro, António Costa, visitam sexta-feira as obras da Rede de Rega de Óbidos e Amoreira, um investimento de 25 milhões de euros que vai envolver mil hectares de terrenos e 900 agricultores das freguesias da Amoreira e de Olho Marinho, no concelho de Óbidos, e do Pó e da Roliça, em Bombarral.

Depois da construção da barragem do Arnóia, concluída desde 2005, estão em obra até ao início de 2019 uma estação elevatória e a rede de rega de Óbidos.

Os governantes vão esta sexta-feira assinar contrato para o início da construção da rede de rega da Amoreira.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)