Rádio Observador

100% português

Cluoh: carteiras com a ilustração à flor da pele

À falta de acessórios mais entusiasmantes, Ana Oliveira desenhou as suas próprias carteiras. Do papel para a pele, a Cluoh prova que as clutches também podem ser usadas no dia-a-dia, sem cerimónias.

O negócio de Ana Oliveira, de 31 anos, nasceu como tantos outros: de uma falha diagnosticada no mercado. Não que a jovem criativa tenha investido milhares num estudo cheio de conclusões. Enquanto cliente, ela apenas se viu sem opções, já que os acessórios em pele sacrificam quase sempre a criatividade em favor da qualidade. Na cabeça de Ana, nunca houve razão para não juntar as duas. Depois de ter passado pelo design gráfico, pela fotografia e pelo marketing, dedicou-se a criar (e a desenhar) a sua própria marca. “Adorava o que fazia, mas queria criar algo com a minha imagem. A Cluoh não é uma marca de massas, é uma marca que se destaca pelo design”, explica ao Observador.

Os padrões vêm também no interior das malas, sob a forma de postais © Divulgação

No fim de setembro, estas malas com efeito surpresa (é mesmo daí que vem o nome da marca — clutches que suscitam um “Oh!”) foram apresentadas ao mundo. Depois da loja online, a marca teve um lançamento ao vivo e a cores, no Mercadito Blog da Carlota, em Lisboa. E se as cores são importantes. Além dos modelos a que chama “neutros”, há seis padrões para usar debaixo do braço ou pendurados por uma alça de mão. Se, para muitos, a clutch ainda é aquela mala para levar a festas, casamentos e batizados, para Ana, podem ser um acessório do dia-a-dia e com uma pitada de boa disposição. Com riscas, bolas, olhos e máscaras tribais, estas malas foram feitas para serem combinadas entre si. Não é pandã, é só mesmo um convite a misturar.

Associar moda e ilustração é uma espécie de princípio fundador da Cluoh. Desenhados por Ana ou por ilustradores que colaboram pontualmente com a marca, os padrões são exclusivos, usados num único modelo de clutch — existem dois: Frida, 24 por 16, e Pablo, 30 por 20 (centímetros), este último com uma alça para usar à tiracolo — e limitados a edições de 100 peças numeradas. Quando acabarem, darão lugar a novos desenhos, à exceção dos tons neutros — preto, creme e areia –, que formam a coleção permanente. Depois de uma primeira impressão, os detalhes que passam despercebidos. Todas as malas têm um forro bordô, os modelos clássicos trazem ainda um fecho a combinar, e um material interior que as deixa ligeiramente almofadadas. Dentro de cada uma, vem sempre um postal com o mesmo padrão que lhe tingiu a pele.

Aos 31 anos e depois de ter trabalhado em áreas tão diferentes como a cerâmica e a ourivesaria, Ana Oliveira criou a sua própria marca © Divulgação

Ana confessa que encontrar quem produzisse artigos em pele em quantidades tão limitadas não foi fácil. Ultrapassada essa etapa, foi começar a desbravar um mundo novo, que inclui lidar com fornecedores e assumir o controlo de qualidade. Feitas no Norte, estas clutches são só o primeiro passo de uma marca que quer diversificar o catálogo, mas também unir-se a nomes sonantes da ilustração e das artes plásticas. Sem padrões, os porta-cartões foram lançados no passado fim de semana e chegam à loja online nos próximos dias. Até ao Natal, a Cluoh tenciona apresentar também os porta-moedas, esses sim com novos estampados (vai ser complicado abrir mão dos olhinhos, são um favorito da clientela). Os lenços são outra das ideias que tem na gaveta, bem como a de começar a bordar pequenos detalhes nas malas e carteiras.

As clutches da Cluoh são produzidas na zona do Porto © Divulgação

Recentemente, Ana juntou-se à marca portuguesa Rust & May para lançar uma t-shirt branca bordada. Uma ideia simples que tem estado a agradar e homens e mulheres. A própria Cluoh quer fugir ao rótulo de marca feminina. Os homens também têm gostado das carteiras e clutches, até porque o design simples e clássico faz destas pelas autênticos acessórios unissexo. Ter uma loja própria  também faz parte dos planos desta marca sediada no Porto. para já, está representada na The Feeting Room, em Lisboa e na invicta. No primeiro fim de semana de dezembro, a jovem empresária encerra a temporada dos mercados. A Cluoh vai estar no Winter Market Stylista, no Pavilhão Carlos Lopes, em Lisboa.

Nome: Cluoh
Data: 2018
Pontos de venda: loja online e The Feeting Room (em Lisboa e no Porto)
Preços: 30€ a 250€

100% português é uma rubrica dedicada a marcas nacionais que achamos que tem de conhecer.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: mgoncalves@observador.pt
Maternidade

Como dói um sonho quando morre /premium

Eduardo Sá

Arrasta-se para o carro. Chora, finalmente. Grita. Geme. Não acredita que nada daquilo esteja a acontecer. E confronta-se com o absurdo de ter um útero a servir de urna quando, antes, ele era só o céu

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)