Instituto Nacional Estatística

INE. Inflação homóloga desacelera para 0,9% em novembro

O Índice de Preços no Consumidor (IPC) subiu 0,9% em novembro, face ao período homólogo de 2017, desacelerando face à variação de 1% em outubro, revela a estimativa rápida do INE.

MANUEL DE ALMEIDA/LUSA

O Índice de Preços no Consumidor (IPC) subiu 0,9% em novembro, face ao mesmo mês de 2017, desacelerando face à variação de 1,0% em outubro, segundo a estimativa rápida do Instituto Nacional de Estatística divulgada esta sexta-feira.

A variação homóloga estimada do indicador de inflação subjacente (índice total excluindo produtos alimentares não transformados e energéticos) situou-se em 0,6%, quando em outubro tinha sido de 0,4%, refere o Instituto Nacional de Estatística (INE).

A taxa de variação homóloga do índice relativo aos produtos energéticos terá diminuído de 7,3% em outubro para 4,9% em novembro. A variação mensal do IPC terá sido -0,4%, quando em outubro o valor apurado foi -0,1% e em novembro de 2017 tinha sido -0,3%, estimando-se uma variação média nos últimos doze meses de 1,1%, valor idêntico ao registado no mês precedente.

O Índice Harmonizado de Preços no Consumidor (IHPC) português terá registado uma variação homóloga de 1,0% (o valor observado em outubro foi 0,8%). Os dados definitivos referentes ao IPC do mês de novembro serão publicados a 12 de dezembro.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Inovação

Web Summit e provincianismo

Fernando Pinto Santos

Porque é a investigação académica tão desconsiderada em Portugal? Talvez porque moldes ou toalhas não sejam tão glamorosos como uma app com um nome estrangeiro numa conferência com o nome de Summit.

Bragança

Bragança tem gente culta e fica aqui

Nuno Pires

“Bragança fica longe de Lisboa, é certo, mas também Lisboa de Bragança. Porém, estamos mais perto de Madrid, Paris, Salamanca, Barcelona e do resto da Europa”

Eleições Europeias

Não há eleições europeias /premium

João Marques de Almeida

O parlamento europeu serve sobretudo para reforçar o poder dos grandes países, cujos partidos dominam os grupos políticos e, principalmente, as comissões parlamentares se fazem as emendas legislativas

Política

O caso Berardo e o regresso a Auschwitz

Luís Filipe Torgal

A psicologia de massas, manipulada pelos novos cénicos «chefes providenciais», vai transfigurando a história em mito, crendo num «admirável mundo novo», depreciando a democracia, diabolizando a Europa

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)