Rádio Observador

Bruxelas

Moscovici saúda vontade de cooperação do Governo italiano, mas quer compromissos

O comissário europeu dos Assuntos Económicos disse que Bruxelas precisa de "compromissos claros e credíveis" para não avançar com sanções. Moscovici quer respeito pelas regras.

Moscovici falava no final da maratona negocial de 18 horas do Eurogrupo

STEPHANIE LECOCQ/EPA

O comissário europeu dos Assuntos Económicos, Pierre Moscovici, salientou esta terça-feira a vontade do Governo italiano de cooperar com a Comissão Europeia, mas lembrou que Bruxelas precisa de “compromissos claros e credíveis” para não avançar com sanções.

“Quero agradecer ao Eurogrupo o apoio que deu ao diálogo em curso com o governo italiano. Este diálogo está a decorrer e está a tornar-se cada vez mais intenso. Devo dizer que nesta última semana vimos uma vontade de cooperar. Vimos que as autoridades italianas estão dispostas a ouvir-nos e a tentar resolver o problema. Isso é bem-vindo. Agora o diálogo realmente começou”, congratulou-se.

Moscovici, que falava no final da maratona negocial de 18 horas do Eurogrupo, indicou que o executivo comunitário tomou nota do anúncio do Governo italiano de que iria reduzir a projeção de défice inscrita no plano orçamental para 2019 que Bruxelas chumbou.

“É um passo na direção correta, mas é evidente que precisamos de compromissos claros e credíveis. Somos abertos à flexibilidade, mas com o respeito pelas regras. Em paralelo com estas negociações, continuaremos a preparar os passos legais”, revelou.

Ao seu lado, Mário Centeno, reafirmou a sua posição, enquanto presidente do Eurogrupo, de que o diálogo é necessário. “A Comissão é responsável por aplicar o Pacto de Estabilidade e Crescimento. Cabe à Comissão liderar este procedimento. Não podemos correr o risco de entrar num beco sem saída e de que não haja canais de negociação. Penso que devemos apoiar a Comissão neste processo”, defendeu.

Em paralelo com a conferência de imprensa que decorria em Bruxelas, o primeiro-ministro italiano, Giuseppe Conte, anunciava um novo orçamento a ser apresentado “nas próximas horas. Durante a madrugada, o fórum dos ministros das Finanças da zona euro, na qual a Itália se inclui, apoiou o parecer da Comissão Europeia sobre o plano orçamental italiano para 2019 e recomendou a Itália que cumprisse com o Pacto de Estabilidade e Crescimento.

Em 21 de novembro, a Comissão Europeia voltou a rejeitar o plano orçamental de Itália para 2019, ao considerar que a proposta contém um risco “particularmente grave de incumprimento”, e recomendou a abertura de um procedimento por défice excessivo com base na dívida.

A decisão foi tomada uma semana depois de Roma ter mantido as linhas gerais do plano orçamental que Bruxelas chumbou numa primeira análise, em 23 de outubro, naquela que já tinha sido uma decisão inédita na história do Pacto de Estabilidade e Crescimento (PEC).

“Tanto o facto de o plano orçamental prever uma expansão orçamental próxima de 1% do PIB, quando o Conselho recomendou um ajustamento orçamental, como a amplitude da diferença (cerca de 1,4% do PIB ou 25 mil milhões de euros) não têm precedente na história do PEC”, observou Bruxelas na primeira rejeição, notando também um “importante desvio” na meta do défice, fixado em 2,4% do PIB em 2019, “um valor três vezes superior ao inicialmente previsto”.

Na resposta, o executivo italiano de coligação populista, que inclui o Movimento Cinco Estrelas (M5S) e a Liga, garantiu que o Orçamento do Estado para 2019 não mudaria, nem no balanço, nem nas previsões de crescimento, mantendo assim a meta de um défice de 2,4% do PIB para o próximo ano.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)