Ministério da Saúde

Ministério diz estar a trabalhar com técnicos de diagnóstico mas lembra prioridades do país

O Governo está a trabalhar para tentar aproximar-se às expectativas dos técnicos de diagnóstico e terapêutica, mas ministra da Saúde lembra que é necessário "escolher as prioridades certas".

Os técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica começaram esta quarta-feira uma greve que irá decorrer, em dias intercalados, ao longo deste mês

TIAGO PETINGA/LUSA

A ministra da Saúde afirmou esta quarta-feira que o Governo está a trabalhar para tentar aproximar-se às expectativas dos técnicos de diagnóstico e terapêutica, mas lembrou que é necessário “escolher as prioridades certas”.

“Continuamos a trabalhar no sentido de nos aproximarmos às expectativas [dos técnicos de diagnóstico e terapêutica]”, afirmou esta quarta-feira aos jornalistas a ministra Marta Temido.

A ministra lembrou que, na próxima segunda-feira, haverá reuniões com os sindicatos que representam estes profissionais, que começaram esta quarta-feira uma greve que irá decorrer, em dias intercalados, ao longo deste mês. Apesar de considerar que o Governo tem feito “o máximo caminho possível para responder às aspirações” destes profissionais, a ministra da Saúde avisa que há que olhar para as prioridades do país.

“Aplica-se a este grupo profissional o que se aplica a outros: os portugueses não nos perdoariam se não escolhêssemos as prioridades certas. Isso implica combinar um conjunto de respostas que muitas vezes são conflituantes”, declarou Marta Temido à margem de uma sessão em Lisboa onde foi apresentada o relatório do Conselho Nacional de Saúde “Gerações Mais Saudáveis”.

A ministra lembrou que o atual Governo “procedeu à revisão da carreira dos técnicos superiores de diagnóstico e terapêutica”, mas reconheceu que falta tratar dos temas da transição de alguns profissionais para a nova carreira, bem como da tabela remuneratória.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD/CDS

Os problemas da Direita: a liderança

Fernando Leal da Costa

O PSD precisa de um líder e não de um patrão. Até pode ser Rui Rio, não digo que não, mas isso obrigava-o a transmitir a ideia de que está confortável e seguro no cargo. Não parece ser o caso.

Saúde

Anatomia de uma greve

Luís Lopes Pereira

Não podemos manter greves – principalmente na prestação de cuidados de saúde – com um caráter tão indefinido no tempo como as que presenciamos, pois doutra forma teremos a morte anunciada do SNS.

Política

Precisamos da Esquerda

António Pedro Barreiro
181

Na guerra cultural em curso, a nova Esquerda esqueceu o povo e assumiu a defesa da excentricidade das elites. Eu, que não sou de Esquerda, acho que uma outra Esquerda faz falta ao sistema político.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)