Moçambique

Alfândegas de Moçambique anunciam nova aplicação para avaliação de mercadorias

O objetivo da aplicação é facilitar o comércio, na medida em que irá reduzir o tempo despendido em disputas relacionadas com o valor das mercadorias.

A Alfândegas de Moçambique é usada pelos importadores e vai ter uma nova aplicação de avaliação de mercadorias

Lusa/LUSA

A plataforma informática das Alfândegas de Moçambique usada pelos importadores vai ter uma nova aplicação de avaliação de mercadorias, anunciou esta quinta-feira a operadora do sistema, em comunicado. “Uma nova ferramenta foi adicionada à Janela Única Electrónica (JUE) das alfândegas cuja finalidade é a de auxiliar no processo de avaliação das mercadorias importadas”, anunciou a Mozambique Community Network (MCNet).

Trata-se de “um sistema de avaliação aduaneira associado a uma base de dados de mercadorias denominado eValuator” que deverá “facilitar o comércio, na medida em que irá reduzir o tempo despendido em disputas relacionadas com o valor das mercadorias”, referiu Guilherme Mambo, gestor do projeto da JUE, citado no comunicado.

Segundo aquele responsável, os objetivos passam também por auxiliar o Estado na arrecadação de receitas tributárias e melhorar as estatísticas de comércio internacional. A MCNet considerou que o novo sistema vai ao encontro das aspirações dos importadores, que pediam mais transparência.

“Com esta ferramenta, passará a ser mais fácil saber, com exatidão, qual é o método usado pelas alfândegas para determinação do valor e consequente cálculo das imposições aduaneiras”, referiu Dixon Chongo, representante da Câmara dos Despachantes Aduaneiros de Moçambique (CDA) e da Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA), maior associação patronal do país, citado no mesmo comunicado. “Sentíamos uma certa fragilidade das alfândegas, com o valor das mercadorias a sofrer ajustes para cima sem explicação clara dada ao agente económico”, concluiu.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)