Moçambique

Alfândegas de Moçambique anunciam nova aplicação para avaliação de mercadorias

O objetivo da aplicação é facilitar o comércio, na medida em que irá reduzir o tempo despendido em disputas relacionadas com o valor das mercadorias.

A Alfândegas de Moçambique é usada pelos importadores e vai ter uma nova aplicação de avaliação de mercadorias

Lusa/LUSA

A plataforma informática das Alfândegas de Moçambique usada pelos importadores vai ter uma nova aplicação de avaliação de mercadorias, anunciou esta quinta-feira a operadora do sistema, em comunicado. “Uma nova ferramenta foi adicionada à Janela Única Electrónica (JUE) das alfândegas cuja finalidade é a de auxiliar no processo de avaliação das mercadorias importadas”, anunciou a Mozambique Community Network (MCNet).

Trata-se de “um sistema de avaliação aduaneira associado a uma base de dados de mercadorias denominado eValuator” que deverá “facilitar o comércio, na medida em que irá reduzir o tempo despendido em disputas relacionadas com o valor das mercadorias”, referiu Guilherme Mambo, gestor do projeto da JUE, citado no comunicado.

Segundo aquele responsável, os objetivos passam também por auxiliar o Estado na arrecadação de receitas tributárias e melhorar as estatísticas de comércio internacional. A MCNet considerou que o novo sistema vai ao encontro das aspirações dos importadores, que pediam mais transparência.

“Com esta ferramenta, passará a ser mais fácil saber, com exatidão, qual é o método usado pelas alfândegas para determinação do valor e consequente cálculo das imposições aduaneiras”, referiu Dixon Chongo, representante da Câmara dos Despachantes Aduaneiros de Moçambique (CDA) e da Confederação das Associações Económicas de Moçambique (CTA), maior associação patronal do país, citado no mesmo comunicado. “Sentíamos uma certa fragilidade das alfândegas, com o valor das mercadorias a sofrer ajustes para cima sem explicação clara dada ao agente económico”, concluiu.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
China

A Terra É De Quem a Trabalha

João Pires da Cruz

Preocupa-me menos o facto de os chineses serem os “donos disto tudo” do que quando os “donos disto tudo” eram outros. O que me preocupa é o facto de termos feito zero para não haver “donos disto tudo”

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)