Política Científica

Concurso FCT. Só em “casos extremos” se vai eliminar um investigador da lista dos selecionados

500 investigadores aguardam os resultados da audiência prévia para poderem assinar os contratos. As listas podem ser ajustadas, mas dificilmente estes investigadores serão eliminados, diz FCT.

18% do total de candidatos apresentou pedidos de audiência prévia

Totojang/Getty Images/iStockphoto

A Fundação para a Ciência e a Tecnologia (FCT) não prevê ter de eliminar nenhum dos investigadores inicialmente selecionados para um contrato do Concurso Estímulo ao Emprego Científico 2017. As listas serão ajustadas com os resultados das reapreciações pedidas por alguns dos investigadores eliminados, mas a seleção final não deverá ser significativamente diferente.

“Somente em casos extremos, em que a taxa de sucesso nas audiências prévias [reapreciações] fosse muito superior à taxa de sucesso do concurso em si, é que poderia haver alguma alteração na recomendação de financiamento dos investigadores selecionados após avaliação”, disse a FCT ao Observador. “Na eventualidade de algum candidato com proposta favorável de financiamento vir a ter essa recomendação alterada após a divulgação dos resultados finais, este terá então acesso à audiência prévia.”

Este concurso tem estado envolvido em polémica desde o atraso no anúncio dos resultados até à divulgação das listas, em parte porque deixou de fora cientistas conceituadas como a Maria Manuel Mota, do Instituto de Medicina Molecular, ou a Irene Pimentel, do Instituto de História Contemporânea da Universidade Nova de Lisboa.

Apesar de ter recebido cerca de 740 pedidos de audiência prévia (18% do número de candidatos total), a FCT prevê que as “vagas abertas por desistências” sejam suficientes para “acomodar as eventuais melhorias de nota por audiência prévia sem que seja necessário excluir investigadores que tiveram recomendação de financiamento nas listas após avaliação”. A FCT não disse ao Observador quantos investigadores tinham desistido deste contrato.

Neste concurso, só os investigadores que não foram selecionados é que tiveram acesso à audiência prévia — um período para pedir a reapreciação da avaliação. Ao Observador, vários investigadores confirmaram que, em concursos anteriores, a audiência prévia estava disponível para todos os investigadores.

O Código do Procedimento Administrativo prevê isso mesmo, “assegurar o princípio da participação dos interessados na formação das decisões que lhes disserem respeito”, disse ao Observador Cecília Anacoreta Correia, professora na Faculdade de Direito da Universidade de Lisboa. No entanto, a advogada da Abreu Advogados admitiu que há situações em que a instituição pode dispensar a audiência dos interessados.

A FCT recorreu ao artigo 124 do Código do Procedimento Administrativo para justificar que o “responsável pela direção do procedimento pode não proceder à audiência dos interessados quando os elementos constantes do procedimento conduzirem a uma decisão inteiramente favorável aos interessados”, que era o caso de quem tinha sido recomendado para financiamento.

A lista após avaliação foi conhecida a 17 de setembro, mas até ao momento a FCT ainda não apresentou uma data possível para a divulgação dos resultados da audiência prévia. Em relação ao concurso de 2018, a FCT garante que vai ser aberto ainda este mês.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: vnovais@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)