Brasil

Marinha do Brasil lançou com sucesso o primeiro míssil de superfície anti-navio

A Marinha brasileira anunciou esta sexta-feira o lançamento do primeiro míssil de superfície anti-navio. O míssil foi fabricado no país e em novembro já tinha sido lançado um protótipo do mesmo.

O míssil, com 5,6 metros de comprimento e 860 quilos de peso, atinge uma velocidade de até mil quilómetros por hora em menos de sete segundos e tem um alcance de 70 quilómetros

Antonio Lacerda/EPA

Autor
  • Agência Lusa

A Marinha do Brasil lançou esta sexta-feira o primeiro míssil anti-navio, desenvolvido e fabricado inteiramente no país, depois de um primeiro teste de voo com um protótipo realizado em novembro, informaram fontes oficiais.

“Este foi o primeiro lançamento de um míssil superfície-superfície com tecnologia brasileira”, explicou a Marinha do país, numa mensagem publicada na sua conta no Twitter, juntamente com um vídeo de todo o procedimento.

O primeiro protótipo do Míssil de Superfície Nacional Anti-navio (Mansup) foi lançado no dia 27 de novembro passado da Corveta “Barroso”, num teste realizado a 300 quilómetros da costa do Rio de Janeiro.

O míssil, com 5,6 metros de comprimento e 860 quilos de peso, atinge uma velocidade de até mil quilómetros por hora em menos de sete segundos e tem um alcance de 70 quilómetros.

O foguete, compatível com os lançadores presentes em vários dos navios da Marinha do Brasil, pode ser equipado com uma ogiva de fragmentação explosiva de 154 quilos.

O desenvolvimento desses mísseis é o resultado de um projeto iniciado há 10 anos pela Marinha e algumas empresas brasileiras. O protótipo lançado tinha uma ogiva de telemetria.

Segundo a Marinha, o sucesso no desenvolvimento e lançamento do míssil permite ao Brasil ter autonomia tecnológica para produzir esse tipo de armamento.

A confirmação do lançamento ocorre exatamente uma semana depois de a Marinha ter lançado o primeiro dos cinco submarinos que constrói no país, no âmbito de um acordo de cooperação militar com a França, e dos quais o último terá propulsão nuclear.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)