Rádio Observador

Relações Internacionais

EUA querem reforçar parceria com Brasil durante visita de Mike Pompeo a Brasília

Mike Pompeo vai estar no Brasil para a tomada de posse de Jair Bolsonaro. EUA encaram a visita de secretário de Estado como uma oportunidade histórica para aproximar relações

O secretário de Estado norte-americano Mike Pompeo (o segundo a contar da esquerda) vai estar de visita ao Brasil de segunda a quarta-feira

SHAWN THEW/EPA

Os Estados Unidos encaram a visita do secretário de Estado Mike Pompeo ao Brasil, na próxima semana, como uma oportunidade histórica para aproximar relações e discutir investimentos em tecnologia, defesa e agricultura, declarou esta sexta-feira o Departamento de Estado.

Mike Pompeo realiza uma visita ao Brasil de segunda a quarta-feira, para assistir à tomada de posse de Jair Bolsonaro como Presidente do Brasil — que acontece a 1 de janeiro –, e deverá ainda participar em reuniões com o futuro ministro das Relações Exteriores brasileiro, Ernesto Araújo, e outros parceiros locais, com o objetivo de definir prioridades na área da cooperação.

Entre 31 de dezembro e 2 de janeiro, os diplomatas norte-americanos e o novo chefe de Estado brasileiro deverão discutir as relações económicas e trocas comerciais entre os dois países, assim como possíveis investimentos em tecnologia, defesa e agricultura, indicou esta sexta-feira o Departamento de Estado dos EUA, numa conferência telefónica.

Em cima da mesa vão estar também assuntos de ordem internacional e regional, como a defesa da Democracia e dos Direitos Humanos nos países vizinhos, dadas as situações de conflito e crise na Venezuela, Nicarágua e Cuba.

Os EUA mantêm um grande interesse em reforçar uma parceria com o Brasil, vendo o maior país da América do Sul como “importante interveniente em assuntos globais” a longo prazo, que dará mais espaço aos norte-americanos para combater “regimes repressivos” na região.

Os crimes transnacionais, tráfico de drogas e as migrações também poderão fazer parte da agenda, informou o Departamento de Estado, dizendo que é também provável que sejam abordadas as situações na Coreia do Norte e da China.

Numa altura em que os EUA classificam os empréstimos praticados pela China em várias partes do mundo como “ações predatórias”, o Departamento de Estado também indicou ter tido conhecimento de comentários de Jair Bolsonaro sobre como estas ações chinesas parecem contrariar a soberania do Brasil.

O Departamento de Estado mostrou-se ainda satisfeito com a decisão manifestada pelo Presidente brasileiro eleito, Jair Bolsonaro, de transferir para Jerusalém a embaixada do Brasil em Israel, à semelhança do que decidiu o Presidente norte-americano, Donald Trump, em 2017.

Foi ainda reiterado esta sexta-feira o convite feito a Jair Bolsonaro para se deslocar aos EUA, na esperança de que seja a primeira visita oficial ao exterior do novo Presidente do Brasil.

O Departamento de Estado norte-americano antevê 2019 como um ano “muito ocupado em compromissos de alto nível” na América Latina e a viagem programada para os dias 31 de dezembro a 2 de janeiro é o primeiro desses compromissos, sendo também a quarta deslocação do secretário de Estado Mike Pompeo à região.

Da agenda do secretário de Estado norte-americano em Brasília fazem parte ainda encontros com o Presidente peruano, Martin Vizcarra, e com o primeiro-ministro israelita, Benjamin Netanyahu, antes de seguir viagem para a Colômbia, na quarta-feira.

No dia 2 de janeiro, o encontro entre Mike Pompeo e o Presidente Colombiano pretende criar uma atmosfera de segurança e de reforço de relações para um futuro mais seguro para os cidadãos das várias nações do continente americano, indicou ainda o Departamento de Estado.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)