Rádio Observador

FC Porto

“Acusações do Benfica são manobras de diversão”. Pinto da Costa fala sobre rival, mercado e renovações

392

Pinto da Costa explicou em entrevista ao JN os contornos do negócio de Fernando Andrade (que chegou a ir à Luz), falou das renovações de Herrera e Brahimi, e aproveitou para deixar farpas ao Benfica.

Pinto da Costa admite fazer outros retoques no mercado de inverno mas destacou qualidade do plantel azul e branco

ESTELA SILVA/LUSA

Pinto da Costa cumpriu na passada sexta-feira 81 anos, naquele que foi também o 27.º aniversário que passou na liderança do Campeonato desde que é presidente do FC Porto (em 37 anos). Esse primeiro lugar no final de dezembro quase se tornou regra, um pouco à semelhança das próprias intervenções públicas do número 1 azul e branco, entre a ironia e o ataque aos seus rivais mais diretos. E a primeira entrevista deste ano de 2019, ao JN (conteúdo fechado), acabou por não ser exceção.

“Alguma prenda especial? Quero ter uma vida normal e que os meus inimigos me continuem a atacar e difamar, é sinal de que tenho saúde. Normalmente quando as pessoas estão doentes, às vezes até sem saberem, começa a dizer-se ‘Afinal ele é um bom tipo’. Espero que demore muitos anos até aqueles que me atacam venham dizer que afinal sou boa pessoa. É sinal de que tenho saúde e que vou poder continuar a cumprir a minha obrigação”, começou por referir em termos genéricos, antes de apontar mira ao Benfica, logo a arrancar com a recente goleada dos encarnados frente ao Sp. Braga.

“Surpreendido com esse resultado? Não fiquei muito, nos últimos anos a única vez que o Benfica perdeu com o Sp. Braga foi quando tinha o Sérgio Conceição no banco. Acusações sobre ataque a autocarro de adeptos? O que espero é que o Benfica não nos acuse de estarmos por trás da morte daquele adepto italiano às portas do estádio da Luz e daquele do Jamor com um very light. Se disserem que estamos por trás disso é que ficaria preocupado. Já sabemos que isto são manobras de diversão para desviar as atenções de outros assuntos. São fait divers que nem vale a pena comentar”, respondeu.

Pinto da Costa abordou ainda na entrevista ao JN a contratação de Fernando Andrade, avançado ex-Santa Clara que foi o primeiro reforço neste mercado de inverno, e as renovações de Herrera e Brahimi. “É um assunto que já foi falado 200 vezes, só os jogadores podem decidir se continuam ou não. Eles têm as propostas que nós podemos dar e também têm direito a optar por outros clubes, como aconteceu no ano passado com o Reyes e o Marcano”, destacou.

Herrera chegou ao Dragão em 2013, Brahimi no ano seguinte. Agora, ambos acabam contrato em junho (MIGUEL RIOPA/AFP/Getty Images)

“Consideramos que temos um plantel excelente e a prova está naquilo que esse mesmo plantel tem feito. Se for possível, vamos melhorando e retocando o grupo, conforme as pretensões do treinador. O Sérgio Conceição já me tinha manifestado a vontade de poder contratar este jogador no mercado de janeiro e aproveitei a recente ida aos Açores para o jogo com o Santa Clara para falar com o presidente. As coisas ficaram alinhavadas e depois do Natal falámos com o jogador [Fernando]. Ele esteve em Lisboa na quinta-feira passada e na sexta parece que teve outros contactos. Connosco teve uma atitude excelente e manteve a palavra. Se o Benfica também esteve interessado no jogador? Posso afirmar que ele esteve no estádio da Luz na passada sexta-feira, levado pelo senhor José Luís. O Fernando já nos tinha dado a palavra e nós tínhamos chegado a acordo com Santa Clara mas ele foi à Luz porque tinha prometido ir, o que mostra que é realmente um jogador de palavra”, explicou.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros de órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: broseiro@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)