A notícia no dia 1 de janeiro de qualquer ano costuma ser sempre o lote de jogadores que estão a terminar contrato e que, como tal, podem a partir desse dia vincular-se a qualquer outro clube. Toto Salvio era um desses casos e esta semana os franceses do L’Équipe tinham mesmo escolhido o argentino para uma das equipas dos melhores atletas que iriam ficar livres a partir de junho de 2019. No entanto, essa hipótese demorou menos de 24 horas: o internacional renovou com o Benfica até 2022.

“É uma notícia muito bonita para mim, para a minha família. O que queria era continuar em casa e estou muito feliz por isso”, começou por comentar à BTV o número 18, antes de falar também da relação com Luís Filipe Vieira: “Todos no clube sabem a relação que tenho com o presidente. É um amigo, uma grande pessoa e significa que as duas partes conseguiram o que queriam, que era continuar com a equipa. Agora é conquistar todos os nossos objetivos”.

“Todos sabiam que o meu desejo sempre foi renovar, foi assim desde o primeiro momento. Está tudo assinado, estou feliz por continuar. Desejos para 2019? Espero a reconquista, como esperamos todos, e saúde para todas as pessoas”, concluiu.

Supertaça de 2017 foi o último de 13 títulos conquistados pelo argentino desde que chegou à Luz (Carlos Rodrigues/Getty Images)

Formado no Lanús, onde fez também as duas primeiras temporadas como sénior, Salvio chegou à Europa em 2010 para reforçar o Atl. Madrid mas acabou por ser emprestado logo nessa época ao Benfica. Voltou ao Vicente Calderón, jogou em 2011/12 no conjunto de Diego Simeone mas acabaria por regressar à Luz, fazendo parte do inédito tetra da história do clube entre 13 títulos oficiais que o colocam no top-10 dos jogadores com mais troféus pelo clube, apenas atrás de Luisão (20), Nené (19), Coluna (18), Eusébio, Shéu (17), António Simões (16), Cavém (15), Ângelo e José Águas (14).

Afinal, era um trampolim mas para outra coisa: Luisão é o mais titulado de sempre pelo Benfica

No final de outubro, o internacional argentino, que marcou presença no Mundial de 2018 na Rússia, completou também o 250.º jogo pelo Benfica frente ao Ajax (mais tarde teria um problema físico que o afastou da equipa). “Três jogos especiais? Um foi o primeiro, em Alvalade contra o Sporting. Marquei um golo e o Nico [Gaitán] outro. Também recordo uma partida contra o FC Porto para a Taça de Portugal, no Estádio da Luz. Ganhámos 3-1. Marquei o primeiro golo e, na segunda parte, o André Gomes fez um golaço. Lembro-me bem desse clássico porque era contra o FC Porto e a dada altura ficámos em inferioridade numérica. Com espírito ganhador, ultrapassámos todas as adversidades que se nos apresentaram nessa partida. Por último, o jogo da Taça de Portugal que ganhámos ao V. Guimarães. Marquei um golo de cabeça e pudemos festejar muito. Foi um jogo bonito, de muita luta, com um ambiente espetacular. Fizemos uma grande época [2016/17]”, comentou ao site do clube.

Salvio considerou “um privilégio” realizar 250 jogos pelo Benfica