Marcelo Rebelo de Sousa

Marcelo lembra Soares e diz que os seus valores são mais importantes do que nunca

2.626

O presidente da República lembrou o antigo Presidente da República Mário Soares, dois anos após a sua morte, destacando "os valores de vida de Mário Soares", como estadista e homem da cultura.

O Presidente da República, Marcelo Rebelo de Sousa, intervém após a atuação de "as Janeiras" da Sociedade Musical Vouzelense no Palácio de Belém

ANTÓNIO PEDRO SANTOS/LUSA

O chefe de Estado, Marcelo Rebelo de Sousa, lembrou esta segunda-feira o antigo Presidente da República Mário Soares, passados dois anos da sua morte, e considerou que os seus valores são mais importantes do que nunca.

Evoco sentidamente a personalidade do Dr. Mário Soares no segundo aniversário do seu falecimento. A sua memória é a memória de um cidadão empenhado na causa da liberdade e da democracia, que corajosamente lutou, antes e depois do 25 de abril de 1974, por um Portugal mais justo e mais solidário, mais desenvolvido”, escreveu Marcelo Rebelo de Sousa, numa mensagem publicada no portal da Presidência da República.

Num ano em que haverá eleições europeias, no final de maio, o chefe de Estado recordou Mário Soares também como “um europeísta convicto, que se bateu até ao fim da sua existência em defesa dos princípios fundadores de um projeto comum alicerçado no diálogo, no respeito mútuo e na tolerância”.

Segundo Marcelo Rebelo de Sousa, “os valores de vida de Mário Soares, que pôs em prática como homem de cultura, como cidadão e como estadista, são hoje mais importantes do que nunca: a salvaguarda dos direitos humanos, o são convívio democrático, a justiça social e a abertura ao outro”.

“Constituem um património que devemos preservar, hoje e sempre, sendo essa a melhor forma de homenagearmos a memória do Presidente Mário Soares e o seu admirável patriotismo”, defendeu.

Mário Soares morreu no dia 7 de janeiro de 2017, aos 92 anos, em Lisboa.

Advogado, combateu a ditadura do Estado Novo, foi fundador e primeiro líder do PS. Regressado do exílio em França, após o 25 de Abril de 1974, foi ministro dos Negócios Estrangeiros, primeiro-ministro e Presidente da República durante dois mandatos, entre 1986 e 1996.

Como primeiro-ministro, pediu a adesão de Portugal à então Comunidade Económica Europeia (CEE), em 1977, e assinou o respetivo tratado, em 1985.

Ferro Rodrigues evoca Soares lembrando a sua “insubmissão ao populismo”

O presidente da Assembleia da República, Eduardo Ferro Rodrigues, evocou esta segunda-feira o segundo ano da morte de Mário Soares, lembrando a atualidade da mensagem de “insubmissão ao populismo” do ex-chefe de Estado.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

Catarina Martins

O Bloco é de extrema-esquerda? /premium

Luís Rosa
168

O BE quer destruir o capitalismo, vê o mercado como nocivo para as relações humanas, o Estado como o único proprietário e a intolerância política como arma. Puro extremismo vestido de vermelho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)