Nicolás Maduro

Presidente da Venezuela acusa parlamento de usurpar a soberania popular

220

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, acusou no domingo o parlamento de usurpar a soberania popular, um dia depois de a oposição ter descrito o seu novo mandato como ilegítimo.

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro

Prensa Miraflores / HANDOUT/EPA

O Presidente venezuelano, Nicolás Maduro, acusou no domingo o parlamento de usurpar a soberania popular, um dia depois de a oposição ter descrito o seu novo mandato como ilegítimo. “Esta é uma Assembleia Nacional totalmente inútil (…), que mais uma vez tenta encenar a destituição do Presidente legítimo, usurpando a soberania popular”, disse Maduro.

O Presidente fez esta declaração antes de assistir a um jogo de basebol com os seus ministros e o alto comando militar num estádio das Forças Armadas em Caracas, num evento desportivo transmitido pela televisão governamental. No mesmo dia, o Governo venezuelano acusara os Estados Unidos de promoverem um golpe de Estado para afastar o Presidente Nicolás Maduro do poder para se apoderarem dos recursos energéticos e minerais da Venezuela.

Na quinta-feira, o Presidente da Venezuela tomará posse para um novo mandado presidencial (2019-2025) que a oposição, que controla o parlamento, e vários países não reconhecem.

Segundo o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela, Maduro foi reeleito para um novo mandato presidencial nas eleições antecipadas de 20 de maio de 2018, com 6.248.864 (67,84%) votos. Um dia depois das eleições, a oposição venezuelana questionou os resultados, alegando irregularidades e o não respeito pelos tratados de Direitos Humanos ou pela Constituição da Venezuela.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Sindicatos

Vivam as greves livres

Nuno Cerejeira Namora

Estes movimentos têm de ser encarados como o sintoma de um mal maior: a falência do sindicalismo tradicional e a sua incapacidade de dar resposta às legítimas aspirações dos seus filiados.

Sri Lanka

Ataque terrorista à geografia humana de Portugal

Vitório Rosário Cardoso

É quase indissociável desde o século XVI na Ásia marítima a questão de se ser católico e de se ser Português porque afirmando-se católico no Oriente era o mesmo que dizer ser-se Português. 

Museus

Preservação do Património Cultural

Bernardo Cabral Meneses

As catástrofes ocorridas no Rio de Janeiro e em Paris deverão servir de exemplo para ser reforçada a segurança contra incêndios nos edifícios e em particular nos museus portugueses.

Liberdades

Graus de liberdade /premium

Teresa Espassandim

Ninguém poderá afirmar que é inteiramente livre, que pouco ou nada o condiciona, como se a liberdade significasse tão só e apenas a ausência de submissão e de servidão.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)