Venezuela

Presidente da Venezuela encabeça listagem de venezuelanos impedidos de entrar no Peru

114

A listagem foi criada depois de o MNE anunciar que o Peru iria incluir no seu sistema de controlo migratório pessoas relacionadas com o Governo de Caracas e seus familiares para os impedir de entrar.

Nicolás Maduro, Presidente da Venezuela

MAXIM SHEMETOV/POOL/EPA

O Presidente da Venezuela, Nicolás Maduro, encabeça uma listagem de 93 venezuelanos, que inclui vários ministros, governadores, altos funcionários, magistrados, empresários vinculados ao regime e familiares que estão impedidos de entrar no Peru.

A listagem, segundo o diário venezuelano El Universal, foi criada depois de o ministro dos Negócios Estrangeiros do Peru, Néstor Popolizio, anunciar, na segunda-feira, que o seu país iria incluir no seu sistema de controlo migratório o nome de pessoas relacionadas com o Governo de Caracas, e seus familiares, para que fossem impedidos de entrar.

Segundo a emissora Rádio Programas de Peru (RPP), os venezuelanos não necessitam de visto para ingressar Peru, mas, no entanto, o Governo peruano pode “impor restrições de caráter migratório”. Diversas fontes dão conta de que mais de 650 mil venezuelanos residem atualmente no Peru, que procuraram ali fugir da crise no seu país.

O Peru é um dos países que compõe o Grupo de Lima, que anunciou recentemente que não irá reconhecer o novo mandato de seis anos que Nicolás Maduro vai iniciar a 10 de janeiro e que dura até 2025. O Grupo de Lima é formado pelos governos da Argentina, Brasil, Canadá, Chile, Colômbia, Costa Rica, Guatemala, Guiana, Honduras, Panamá, Paraguai, Peru e Santa Lucia. Do grupo faz parte ainda o México, que não assinou a declaração.

O Presidente da Venezuela vai prestar juramento para um novo mandado presidencial, perante o Supremo Tribunal de Justiça, ao invés da Assembleia Nacional (parlamento, onde a oposição detém a maioria) já que Maduro não reconhece a legitimidade deste órgão, que acusa de estar a afrontar as sentenças daquele tribunal.

Segundo o Conselho Nacional Eleitoral da Venezuela, Maduro foi reeleito para um novo mandato presidencial nas eleições antecipadas de 20 de maio de 2018, com 6.248.864 votos (67,84%). Um dia depois das eleições, a oposição venezuelana questionou os resultados, alegando irregularidades e o não respeito pelos tratados de direitos humanos ou pela Constituição da Venezuela.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.
Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)