PSD

PSD recorda que Marcelo aprovou propinas no superior e diz que abolição é “populismo”

648

David Justino lembra que foi o PSD liderado por Marcelo que negociou com o PS introdução de propinas no Ensino Superior, que até 1997 eram de apenas 6 euros. Abolição e descida são "populistas".

MANUEL FERNANDO ARAÚJO/LUSA

Bolsas, sim. Propinas, sim. O PSD apresentou esta quarta-feira a estratégia para a década no Ensino Superior, com um ponto de partida: as propinas devem continuar e, se houver dinheiro para as diminuir ou abolir, esse valor deve ser investido em bolsas de estudo. O presidente do Conselho Estratégico Nacional do PSD, David Justino, considera que defender a redução e a abolição das propinas são propostas “populistas” e lançou farpas ao ministro da Educação e ao Presidente da República, que concordam com o fim das propinas.

Ainda antes das medidas, chegou o combate político. E, aí,  David Justino apontou baterias a Manuel Heitor e, de forma indireta, a Marcelo Rebelo de Sousa, lembrando que era ele o líder do partido quando o PSD e o PS acordaram a introdução de propinas nas universidade e politécnicos. “O problema das propinas é um problema que estaria resolvido desde que o professor Marçal Grilo era ministro. Ele restituiu as propinas no ensino superior, num governo do PS com o apoio do PSD, era presidente do PSD o professor Marcelo Rebelo de Sousa“, começou por lembrar o vice-presidente do PSD.

David Justino lembrou que as propinas são, desde essa altura, “um pilar de financiamento do ensino superior” e que, desde aí — em 1997, quando a propina passou dos simbólicos seis euros para 283 euros — “pela primeira vez há um ministro do PS [Manuel Heitor] que coloca em causa este mesmo acordo.

Quando questionado pelos jornalistas sobre a bicada a Marcelo, David Justino desvalorizou a farpa que tinha desferido antes, dizendo que “uma coisa são as posições defendidas por Marcelo Rebelo de Sousa como líder do PSD, outra é como Presidente: é perfeitamente natural que em duas posições institucionais distintas”. Já Manuel Heitor não teve a mesma benevolência: “O ministro, em declarações reproduzidas pelo jornal Público em 2016, disse que a questão das propinas está perfeitamente resolvida em Portugal e que o Governo não se devia imiscuir. Não sei o que mudou de 2016 para 2018. Sei o que mudou e não é o 2018 é o 2019 [por ser ano eleitoral]“.

Para o PSD, explica Justino, “não há razão objetiva para que se faça uma revisão no financiamento no que diz respeito à parte das propinas”, já que se deve manter o princípio do “utilizador-pagador” e que as famílias devem fazer esse investimento porque tem “retorno”.

Além disso, o antigo ministro da Educação lembra que abolir a propina ou reduzir o valor não resolve o problema, já que “nos estudantes deslocados, o custo da propina é uma pequena parte dos custos da frequência do Ensino Superior.” A descida das propinas, defende o dirigente nacional do PSD, “alivia as famílias, mas não é uma medida que promova a equidade

Para Justino seria “muito interessante ver um aumento significativo das verbas afetas à ação social escolar”, alertando que “essas verbas não devem cobrir só os custos de frequência, mas outros custos mais significativos como os custos de deslocação.”

Coube depois à coordenadora do PSD para a área do Ensino Superior, Maria da Graça Carvalho, apontar algumas das medidas. O PSD defende desde logo um “novo modelo de financiamento”, em que se mantém “o sistema de propinas” e que cada aumento de verbas que seja possível fazer “deve ser para a ação social”. A nova fórmula de financiamento, explica a antiga ministra do Ensino Superior, deve passar por “critérios objetivos e transparentes”, em que as universidades têm “financiamento por objetivos“. Os principais vetores que vão servir para avaliar o financiamento (e, por exemplo, definir majorações para certos estabelecimentos de ensino superior) são o ensino, a investigação, a valorização do conhecimento, território e do património.

Maria da Graça Carvalho defende assim mudanças políticas no ensino superior que “sejam baseadas no maior conhecimento, não em crenças, não em ideias populistas.” A coordenadora defende também um sistema que seja “independente do poder político” e que passe por uma “visão integrada do Ensino Superior, da Ciência e da Inovação.” Para o PSD, as Instituições de Ensino Superior devem adaptar-se aos novos tempos e, por isso, “têm de reformular conteúdos, recursos, na forma de ensinar e de se relacionar com os alunos e toda a forma de organização do campus“. Além disso, o PSD defende ainda que se deve “aprofundar a oferta diversificada de Ensino Superior” e “encorajar a mobilidade, aumentado a diversidade e flexibilidade dos percursos” e “criando programas de transição entre percursos formativos”. O PSD quer ainda as universidades a aumentarem a coesão territorial.

Carreia única de docência e investigação e financiamento assente na “meritocracia”

No documento “uma estratégia para década” — que curiosamente tem um nome idêntico ao primeiro programa de Costa no PS, “Uma agenda para a década” — as medidas principais são:

  • O estabelecimento de estatuto de carreira única de docência e investigação, que considera fundamental na luta contra precariedade, na promoção do emprego científico e na renovação geracional das instituições;
  • A revisão do Regime Jurídico das Instituições de Ensino Superior, assumindo o reforço das Instituições de Ensino Superior, revisitando o conceito de Fundação. Aqui é também defendido um ajustamento da constituição do Conselho Geral, que passa também pela mudança da forma de eleição de reitor, com “processos mais abertos e transparentes”.
  • Aumento do investimento público e privado e reformulação do modelo de financiamento, assente na qualidade e meritocracia, com cinco vetores: ensino, investigação, a valorização do conhecimento, território e património.
  • Revisão holística da Lei de Bases do Sistema Educativo, assente numa base alargada de entendimento político que conduza a uma lei sólida e estável.

O PSD tem vindo a apresentar setorialmente propostas nas mais variadas áreas. Na sala de conferência de imprensa estavam presentes vários dirigentes estudantis. No fim, um deles questionou os dirigentes do PSD sobre a composição do Conselho Geral, tendo ouvido a garantia que se pretende aumentar a representação de alunos, mas também de funcionários das instituições de ensino superior.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
PSD

Marcelo, o conspirador /premium

Alexandre Homem Cristo

O pior destes 10 dias no PSD foi a interferência de Marcelo. Que o PSD se queira autodestruir, é problema seu. Que o Presidente não saiba agir dentro dos seus limites institucionais, é problema nosso.

PSD

Ao centro, o PSD não ganhará eleições /premium

João Marques de Almeida
267

Rio, que não perde uma ocasião para evocar Sá Carneiro, não aprendeu a sua principal lição: o PSD só chega ao poder quando lidera uma alternativa aos socialistas. Não basta esperar pelo fracasso do PS

Catarina Martins

O Bloco é de extrema-esquerda? /premium

Luís Rosa
168

O BE quer destruir o capitalismo, vê o mercado como nocivo para as relações humanas, o Estado como o único proprietário e a intolerância política como arma. Puro extremismo vestido de vermelho.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)