PSD

Vice-presidente do PSD Maló de Abreu acusa Montenegro de “politiquice”

"Trata-se de politiquice quando estamos a pensar no país, em Portugal e numa alternativa séria", sublinhou o vice-presidente social-democrata.

PAULO NOVAIS/LUSA

Autor
  • Agência Lusa
Mais sobre

O vice-presidente do PSD Maló de Abreu acusou este sábado Luís Montenegro de tentar um “assalto ao poder” no partido e de fazer “politiquice” a três meses das eleições Europeias. “Rui Rio candidatou-se com uma estratégia, com um caminho, que tem sido seguido e, portanto, parece-me absolutamente descabido, desnecessário e altamente prejudicial para o partido o que se está a passar neste momento”, disse Maló de Abreu, à entrada para o Conselho Estratégico do partido, em Coimbra.

Na sexta-feira, o antigo líder parlamentar do PSD Luís Montenegro anunciou na sexta-feira que está disponível para ser “de imediato” candidato à liderança do partido, desafiando Rui Rio a marcar eleições diretas já e a apresentar a sua própria candidatura.

Para Maló de Abreu, parece “óbvio que é uma situação de assalto ao poder e de medo, receio de perder posições e, sobretudo, lugares”, que deve merecer uma resposta “enérgica e com força”.

“Trata-se de politiquice quando estamos a pensar no país, em Portugal e numa alternativa séria”, sublinhou o vice-presidente social-democrata, criticando que se faça “politiquice” a três meses de apresentação de listas para as eleições europeias.

Num ano “tão difícil”, com eleições regionais e legislativas, Maló de Abreu defendeu que era da “maior responsabilidade o partido estar unido” e aconselhou todos os “atores” do partido “a meterem a mão na consciência” e assumirem as suas responsabilidades.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Política

A reconstrução da direita /premium

Luís Rosa
301

A refundação da direita alargará o leque de escolhas dos eleitores. Optar entre socialistas e social-democratas não é verdadeiramente uma opção porque são duas faces do mesmo disco do rotativismo

Política

Três desafios para o 5.7

Alexandre Franco de Sá

Apesar das adversidades políticas, trata-se de despertar a direita acomodada e bocejante contra a hegemonia cultural de uma esquerda que, indisputada no espaço público, dociliza há décadas a sociedade

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

António Costa

O desnorte do 1.º ministro /premium

Manuel Villaverde Cabral

Tão inquietante ou mais ainda, o líder do PS e os seus parceiros parecem continuar convencidos que o alegado problema do euro é a Alemanha não querer partilhar os seus ganhos com os outros países

PCP

Patrão santo, funcionário posto fora da loja /premium

José Diogo Quintela

Estou chocado. Nunca pensei que o PCP não cumprisse a lei laboral. Mas o PCP está ainda mais chocado: nunca pensou ser obrigado a cumprir a lei laboral. É que escrevê-la é uma coisa, obedecê-la outra.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)