802kWh poupados com a
i

A opção Dark Mode permite-lhe poupar até 30% de bateria.

Reduza a sua pegada ecológica.
Saiba mais

Assessor do Bloco reitera referência a "bosta da bófia" e diz que querem desacreditar luta anti-racista

Este artigo tem mais de 5 anos

O dirigente do SOS Racismo e assessor do BE acredita que a extrema-direita quer desacreditar a luta contra o racismo, colando-a à agenda de um só partido, o Bloco de Esquerda.

Mamadou Ba fez esta terça-feira uma nova publicação a dizer que "bater em alguém porque é negro ou cigano, é uma bosta"
i

Mamadou Ba fez esta terça-feira uma nova publicação a dizer que "bater em alguém porque é negro ou cigano, é uma bosta"

Mamadou Ba fez esta terça-feira uma nova publicação a dizer que "bater em alguém porque é negro ou cigano, é uma bosta"

Depois dos acontecimentos no Bairro da Jamaica, no Seixal, que levaram a acusações de violência policial com motivações racistas, o assessor do Bloco de Esquerda e dirigente da SOS Racismo, Mamadou Ba, começou na segunda-feira a denunciar na sua página no Facebook publicações de polícias que apoiaram o tipo de intervenção utilizada naquele bairro do Seixal ou fizeram comentários jocosos sobre a mulher agredida. Horas depois, em novo comentário sobre a violência policial, Mamadou Ba acabaria por ser mais agressivo nas palavras dizendo, com ironia, que até é “uma coisa natural” que “um gajo tenha de aguentar com a bosta da bófia e da facho esfera”, mas que já era “um tanto cansativo” ter de “levar com sermões idiotas de pseudo-radicais iluminados.

Já esta terça-feira, depois de o Diário de Notícias ter noticiado a referência à expressão “bosta da bófia”, Mamadou Ba voltou a justificar o uso da expressão. Após essa primeira polémica publicação, o assessor do Bloco de Esquerda na Assembleia da República conta que começou a “receber vários tipos de insultos e ameaças”. Neste novo post, Mamadou Ba justifica e reitera o uso da palavra: “E sim, bater em alguém porque é negro ou cigano, é uma bosta. Matar alguém porque é negro ou cigano é pior que uma bosta“.

PUB • CONTINUE A LER A SEGUIR

Mamadou Ba diz ainda que os dois perfis de Facebook ligados a “agentes de autoridade cujas caixas de comentários são autênticos aterros de lixo racista”, desapareceram “passado algum tempo” de os ter denunciado. “O que é bom”, acrescenta.

Apesar de ter utilizado uma expressão forte, Mamadou Ba sugere que o facto de o Diário de Notícias ter noticiado que se referiu à polícia como “bosta da bófia” e o ter referido como assessor do Bloco de Esquerda (o que é um facto que consta do seu próprio perfil do Facebook) tem um objetivo oculto de “desacreditar a luta anti-racista, colando-a a uma agenda de um só partido para lhe retirar abrangência e legitimidade social”.

Mamadou Ba denuncia ainda que desde segunda-feira que “a extrema-direita dentro das forças de segurança decidiu intensificar os ataques” contra si e deixa “claro que nenhuma tentativa de manipulação e de bullying” o “impedirão de denunciar e combater o racismo.”

Em declarações ao Observador, Mamadou Ba, atenta que “se tivesse trocado a palavra bosta pela palavra horror” o seu post nunca sairia do anonimato e explica que não estava “a atacar a PSP nem a incitar à violência”, mas sim a constatar um facto: que é um “horror” quando “a polícia mata alguém com base na raça”, dando exemplos de vários casos como o de Nuno Manaças, rapper conhecido como MC Snake.

 
Assine o Observador a partir de 0,18€/ dia

Não é só para chegar ao fim deste artigo:

  • Leitura sem limites, em qualquer dispositivo
  • Menos publicidade
  • Desconto na Academia Observador
  • Desconto na revista best-of
  • Newsletter exclusiva
  • Conversas com jornalistas exclusivas
  • Oferta de artigos
  • Participação nos comentários

Apoie agora o jornalismo independente

Ver planos

Oferta limitada

Apoio ao cliente | Já é assinante? Faça logout e inicie sessão na conta com a qual tem uma assinatura

Ofereça este artigo a um amigo

Enquanto assinante, tem para partilhar este mês.

A enviar artigo...

Artigo oferecido com sucesso

Ainda tem para partilhar este mês.

O seu amigo vai receber, nos próximos minutos, um e-mail com uma ligação para ler este artigo gratuitamente.

Ofereça artigos por mês ao ser assinante do Observador

Partilhe os seus artigos preferidos com os seus amigos.
Quem recebe só precisa de iniciar a sessão na conta Observador e poderá ler o artigo, mesmo que não seja assinante.

Este artigo foi-lhe oferecido pelo nosso assinante . Assine o Observador hoje, e tenha acesso ilimitado a todo o nosso conteúdo. Veja aqui as suas opções.

Atingiu o limite de artigos que pode oferecer

Já ofereceu artigos este mês.
A partir de 1 de poderá oferecer mais artigos aos seus amigos.

Aconteceu um erro

Por favor tente mais tarde.

Atenção

Para ler este artigo grátis, registe-se gratuitamente no Observador com o mesmo email com o qual recebeu esta oferta.

Caso já tenha uma conta, faça login aqui.

Há 4 anos recusámos 90.568€ em apoio do Estado.
Em 2024, ano em que celebramos 10 anos de Observador, continuamos a preferir o seu apoio.
Em novas assinaturas e donativos desde 16 de maio
Apoiar
Junte-se ao Presidente da República e às personalidades do Clube dos 52 para uma celebração do 10º aniversário do Observador.
Receba um convite para este evento exclusivo, ao assinar um ano por 99€.
Limitado aos primeiros 100 lugares
Assinar agora Ver programa