Racismo

Assessor do Bloco reitera referência a “bosta da bófia” e diz que querem desacreditar luta anti-racista

9.479

O dirigente do SOS Racismo e assessor do BE acredita que a extrema-direita quer desacreditar a luta contra o racismo, colando-a à agenda de um só partido, o Bloco de Esquerda.

Mamadou Ba fez esta terça-feira uma nova publicação a dizer que "bater em alguém porque é negro ou cigano, é uma bosta"

Depois dos acontecimentos no Bairro da Jamaica, no Seixal, que levaram a acusações de violência policial com motivações racistas, o assessor do Bloco de Esquerda e dirigente da SOS Racismo, Mamadou Ba, começou na segunda-feira a denunciar na sua página no Facebook publicações de polícias que apoiaram o tipo de intervenção utilizada naquele bairro do Seixal ou fizeram comentários jocosos sobre a mulher agredida. Horas depois, em novo comentário sobre a violência policial, Mamadou Ba acabaria por ser mais agressivo nas palavras dizendo, com ironia, que até é “uma coisa natural” que “um gajo tenha de aguentar com a bosta da bófia e da facho esfera”, mas que já era “um tanto cansativo” ter de “levar com sermões idiotas de pseudo-radicais iluminados.

Já esta terça-feira, depois de o Diário de Notícias ter noticiado a referência à expressão “bosta da bófia”, Mamadou Ba voltou a justificar o uso da expressão. Após essa primeira polémica publicação, o assessor do Bloco de Esquerda na Assembleia da República conta que começou a “receber vários tipos de insultos e ameaças”. Neste novo post, Mamadou Ba justifica e reitera o uso da palavra: “E sim, bater em alguém porque é negro ou cigano, é uma bosta. Matar alguém porque é negro ou cigano é pior que uma bosta“.

Mamadou Ba diz ainda que os dois perfis de Facebook ligados a “agentes de autoridade cujas caixas de comentários são autênticos aterros de lixo racista”, desapareceram “passado algum tempo” de os ter denunciado. “O que é bom”, acrescenta.

Apesar de ter utilizado uma expressão forte, Mamadou Ba sugere que o facto de o Diário de Notícias ter noticiado que se referiu à polícia como “bosta da bófia” e o ter referido como assessor do Bloco de Esquerda (o que é um facto que consta do seu próprio perfil do Facebook) tem um objetivo oculto de “desacreditar a luta anti-racista, colando-a a uma agenda de um só partido para lhe retirar abrangência e legitimidade social”.

Mamadou Ba denuncia ainda que desde segunda-feira que “a extrema-direita dentro das forças de segurança decidiu intensificar os ataques” contra si e deixa “claro que nenhuma tentativa de manipulação e de bullying” o “impedirão de denunciar e combater o racismo.”

Em declarações ao Observador, Mamadou Ba, atenta que “se tivesse trocado a palavra bosta pela palavra horror” o seu post nunca sairia do anonimato e explica que não estava “a atacar a PSP nem a incitar à violência”, mas sim a constatar um facto: que é um “horror” quando “a polícia mata alguém com base na raça”, dando exemplos de vários casos como o de Nuno Manaças, rapper conhecido como MC Snake.

    Se tiver uma história que queira partilhar ou informações que considere importantes sobre abusos sexuais na Igreja em Portugal, pode contactar o Observador de várias formas — com a certeza de que garantiremos o seu anonimato, se assim o pretender:

  1. Pode preencher este formulário;
  2. Pode enviar-nos um email para abusos@observador.pt ou, pessoalmente, para Sónia Simões (ssimoes@observador.pt) ou para João Francisco Gomes (jfgomes@observador.pt);
  3. Pode contactar-nos através do WhatsApp para o número 913 513 883;
  4. Ou pode ligar-nos pelo mesmo número: 913 513 883.

Agora que entramos em 2019...

...é bom ter presente o importante que este ano pode ser. E quando vivemos tempos novos e confusos sentimos mais a importância de uma informação que marca a diferença – uma diferença que o Observador tem vindo a fazer há quase cinco anos. Maio de 2014 foi ainda ontem, mas já parece imenso tempo, como todos os dias nos fazem sentir todos os que já são parte da nossa imensa comunidade de leitores. Não fazemos jornalismo para sermos apenas mais um órgão de informação. Não valeria a pena. Fazemos para informar com sentido crítico, relatar mas também explicar, ser útil mas também ser incómodo, ser os primeiros a noticiar mas sobretudo ser os mais exigentes a escrutinar todos os poderes, sem excepção e sem medo. Este jornalismo só é sustentável se contarmos com o apoio dos nossos leitores, pois tem um preço, que é também o preço da liberdade – a sua liberdade de se informar de forma plural e de poder pensar pela sua cabeça.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Liberalismo

Do bairro da Jamaica para o bairro do mundo

Gany Ferreira
1.343

Quero, mais que tudo, que o país se livre da discriminação por via da criação de mais oportunidades. Para que todos, à sua medida, no seu bairro ou no Mundo, ajudem a termos uma sociedade mais liberal

Racismo

Cor de Costa quando foge de uma pergunta chata /premium

José Diogo Quintela
3.689

Se um deputado perguntasse pelo aeroporto, Costa responderia: “Novo aeroporto? Está a mandar-me para a minha terra?”. Se criticasse o aumento de impostos, diria: “Os indianos são gananciosos, é isso?"

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)