Rádio Observador

Racismo

Assessor do Bloco reitera referência a “bosta da bófia” e diz que querem desacreditar luta anti-racista

9.479

O dirigente do SOS Racismo e assessor do BE acredita que a extrema-direita quer desacreditar a luta contra o racismo, colando-a à agenda de um só partido, o Bloco de Esquerda.

Mamadou Ba fez esta terça-feira uma nova publicação a dizer que "bater em alguém porque é negro ou cigano, é uma bosta"

Depois dos acontecimentos no Bairro da Jamaica, no Seixal, que levaram a acusações de violência policial com motivações racistas, o assessor do Bloco de Esquerda e dirigente da SOS Racismo, Mamadou Ba, começou na segunda-feira a denunciar na sua página no Facebook publicações de polícias que apoiaram o tipo de intervenção utilizada naquele bairro do Seixal ou fizeram comentários jocosos sobre a mulher agredida. Horas depois, em novo comentário sobre a violência policial, Mamadou Ba acabaria por ser mais agressivo nas palavras dizendo, com ironia, que até é “uma coisa natural” que “um gajo tenha de aguentar com a bosta da bófia e da facho esfera”, mas que já era “um tanto cansativo” ter de “levar com sermões idiotas de pseudo-radicais iluminados.

Já esta terça-feira, depois de o Diário de Notícias ter noticiado a referência à expressão “bosta da bófia”, Mamadou Ba voltou a justificar o uso da expressão. Após essa primeira polémica publicação, o assessor do Bloco de Esquerda na Assembleia da República conta que começou a “receber vários tipos de insultos e ameaças”. Neste novo post, Mamadou Ba justifica e reitera o uso da palavra: “E sim, bater em alguém porque é negro ou cigano, é uma bosta. Matar alguém porque é negro ou cigano é pior que uma bosta“.

Mamadou Ba diz ainda que os dois perfis de Facebook ligados a “agentes de autoridade cujas caixas de comentários são autênticos aterros de lixo racista”, desapareceram “passado algum tempo” de os ter denunciado. “O que é bom”, acrescenta.

Apesar de ter utilizado uma expressão forte, Mamadou Ba sugere que o facto de o Diário de Notícias ter noticiado que se referiu à polícia como “bosta da bófia” e o ter referido como assessor do Bloco de Esquerda (o que é um facto que consta do seu próprio perfil do Facebook) tem um objetivo oculto de “desacreditar a luta anti-racista, colando-a a uma agenda de um só partido para lhe retirar abrangência e legitimidade social”.

Mamadou Ba denuncia ainda que desde segunda-feira que “a extrema-direita dentro das forças de segurança decidiu intensificar os ataques” contra si e deixa “claro que nenhuma tentativa de manipulação e de bullying” o “impedirão de denunciar e combater o racismo.”

Em declarações ao Observador, Mamadou Ba, atenta que “se tivesse trocado a palavra bosta pela palavra horror” o seu post nunca sairia do anonimato e explica que não estava “a atacar a PSP nem a incitar à violência”, mas sim a constatar um facto: que é um “horror” quando “a polícia mata alguém com base na raça”, dando exemplos de vários casos como o de Nuno Manaças, rapper conhecido como MC Snake.

Não queremos ser todos iguais, pois não?

Maio de 2014, nasceu o Observador. Junho de 2019, nasceu a Rádio Observador.

Há cinco anos poucos acreditavam que era possível criar um novo jornal de qualidade em Portugal, ainda por cima só online. Foi possível. Agora chegou a vez da rádio, de novo construída em moldes que rompem com as rotinas e os hábitos estabelecidos.

Nestes anos o caminho do Observador foi feito sem compromissos. Nunca sacrificámos a procura do máximo rigor no nosso jornalismo, tal como nunca abdicámos de uma feroz independência, sem concessões. Ao mesmo tempo não fomos na onda – o Observador quis ser diferente dos outros órgãos de informação, porque não queremos ser todos iguais, nem pensar todos da mesma maneira, pois não?

Fizemos este caminho passo a passo, contando com os nossos leitores, que todos os meses são mais. E, desde há pouco mais de um ano, com os leitores que são também nossos assinantes. Cada novo passo que damos depende deles, pelo que não temos outra forma de o dizer – se é leitor do Observador, se gosta do Observador, se sente falta do Observador, se acha que o Observador é necessário para que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia, então dê o pequeno passo de fazer uma assinatura.

Não custa nada – ou custa muito pouco. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: rpantunes@observador.pt
Racismo

O mérito não tem cor de pele nem etnia

João Pedro Marques
381

Os activistas querem implementar quotas e outros mecanismos compensatórios e precisam desesperadamente de argumentos científicos para justificar esse seu propósito. É gato escondido com rabo de fora.

Europa

Para uma etiologia da “política de identidades”

Guilherme Valente

É a ameaça de uma sociedade comunitarista, fragmentada, tribalizada e regressiva que se configura. Anti-humanista e anti-universalista, contra o melhor do espírito europeu. E contra uma Europa unida.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)