Portugal e Cabo Verde têm “muitas semelhanças” em áreas dos direitos humanos, como o trabalho, a habitação ou a pobreza, sendo muitas vezes elogiados porque são comparados com países em pior situação, segundo o diretor Amnistia Internacional portuguesa.

Pedro Neto falava esta sexta-feira à agência Lusa no último dia de uma visita de uma semana a Cabo Verde, durante a qual realizou um périplo de direitos humanos que incluiu vários encontros com defensores dos direitos humanos, organizações, órgãos de comunicação social e instituições de ensino.

O diretor executivo da AI de Portugal sublinhou que encontrou “muitas semelhanças” entre Portugal e Cabo Verde, dois países que são “muitas vezes elogiados porque são comparados com outros bastante piores e aos quais a comunidade internacional não dá tanta importância ao nível dos direitos humanos”. “Nem por isso deixam de existir questões muito graves e sérias em termos de diretos humanos”, acrescentou.

Pedro Neto referiu-se, por exemplo, à forma como são tratados os cabo-verdianos que emigram para outros países, assim como os cidadãos de outros países que vivem em Cabo Verde. “Por vezes estes trabalhadores são alvo de exploração e discriminação”, disse, acrescentando: “Isto também acontece em Portugal”.

A violência de género foi igualmente abordada nestes encontros que Pedro Neto manteve em Cabo Verde, durante os quais identificou a vulnerabilidade das mulheres perante a violência doméstica. A situação piora nos casos em que as mulheres, muitas vezes o pilar da família, são mães de crianças portadoras de deficiência. “Os portadores de deficiência têm muitos poucos apoios. A vida não é fácil para estas mulheres, mães de filhos com deficiência”, disse.

O desafio no acesso à habitação e a pobreza como motivo de discriminação foram outros dos abusos em termos de direitos humanos que mereceram uma atenção do diretor executivo da AI de Portugal. Outro tema abordado foi a liberdade de expressão, com Pedro Neto a identificar alguma “autocensura” da parte dos jornalistas, em parte motivada por trabalharem num mundo pequeno. “É preciso que no debate público e nos direitos humanos sejamos diretos”, defendeu.

Pedro Neto sublinhou a “clarividência e objetividade” de algumas organizações cabo-verdianas, como o Provedor de Justiça, no tratamento das queixas que recebem sobre direitos humanos, referindo que “estas organizações trabalham muitas vezes sem rede”.

Sobre a difícil situação financeira em que algumas destas organizações se encontram, deixou um aviso: “Estrangular financeiramente as organizações é uma forma de limitar a sua atuação”.