MotoGP

Miguel Oliveira com melhor tempo pessoal no último dia de testes de MotoGP

391

No último dia de testes, Miguel Oliveira conseguiu retirar quase um segundo ao registo conseguido na quarta-feira (2.00,902 minutos, fazendo, deste modo, o melhor tempo pessoal.

Os pilotos de MotoGP voltam à ação dentro de duas semanas, de 23 a 25 de fevereiro, no circuito de Losail, no Qatar

FAZRY ISMAIL/EPA

Autor
  • Agência Lusa

O português Miguel Oliveira fechou esta sexta-feira com o melhor registo pessoal os três dias de testes de MotoGP no circuito de Sepang, na Malásia, terminando imediatamente a seguir às duas KTM oficiais, na 19.ª posição.

O piloto português da Tech3, a equipa satélite da marca austríaca, fez apenas 38 voltas, conseguindo, ainda assim, retirar quase um segundo ao registo conseguido na quarta-feira (2.00,902 minutos), primeiro dia desta bateria de testes.

O melhor tempo desta sexta-feira do piloto de Almada surgiu à nona passagem pela meta, em 1.59,949 minutos, a 1,710s do mais rápido, o italiano Danilo Petrucci (Ducati), mas a apenas 198 milésimos do espanhol Pol Espargaró (18.º do dia) e a 309 da melhor KTM, do francês Johann Zarco (17.º).

Definitivamente, demos um passo em frente. E este foi um dos dias mais competitivos em Sepang, com seis pilotos abaixo do recorde do circuito [1.59,053 minutos], o que é uma loucura, mas estou satisfeito”, disse Miguel Oliveira, que terminou a jornada mais cedo devido ao cansaço acumulado.

Ao longo dos três dias, o piloto português conseguiu ir melhorando a confiança e os registos de tempo: “No geral, foi um bom teste. O meu alvo era a melhor das KTM e terminámos a três décimas do [Johann] Zarco, que leva três anos em MotoGP. O Pol [Espargaró] tem ainda mais e já conta três anos na KTM. Sinto que me adaptei bem à mota e que trabalhei bem com a equipa”, explicou Oliveira.

O facto de não ter conseguido reunir as condições ideais de configuração da mota, pneus e temperatura de asfalto e ainda assim ter conseguido bons tempos, deixa margem de progressão para o futuro.

“Para mim, é difícil apontar algo à equipa que me faça ir mais rápido, pois isto é o mais rápido que já andei e a melhor mota que tive até agora. Sinto que não extraímos todo o potencial do conjunto que tínhamos. Talvez pudesse ser uns décimos de segundo mais rápido. Sabemos que o potencial está lá e com pneus usados fomos competitivos”, sublinhou o piloto da KTM, que terminou os três dias em Sepang com 158 voltas completadas.

A marca austríaca esteve a testar diferentes configurações aerodinâmicas, que agradaram ao piloto português: “Usámos novas aletas. São pequenas recomendações que a nossa equipa deu à KTM e a fábrica fez um bom trabalho ao trazer novos componentes para a Malásia. Isso deu-me mais confiança com a mota para poder ser mais rápido e estar confortável”, explicou Miguel Oliveira.

O dia foi dominado pela Ducati, que colocou quatro motas nos quatro primeiros lugares. O espanhol Maverick Viñales (Yamaha) foi o quinto mais rápido, a 405 milésimos de Petrucci. Os pilotos de MotoGP voltam à ação dentro de duas semanas, de 23 a 25 de fevereiro, no circuito de Losail, no Qatar, palco da prova de abertura do Campeonato do Mundo, em 10 de março.

Todos queremos saber mais. E escolher bem.

A vida é feita de escolhas. E as escolhas devem ser informadas.

Há uns meses o Observador fez uma escolha: uma parte dos artigos que publicamos deixariam de ser de acesso totalmente livre. Esses artigos Premium, por regra aqueles onde fazemos um maior investimento editorial e que mais diferenciam o nosso projecto, constituem a base do nosso programa de assinaturas.

Este programa Premium não tolheu o nosso crescimento – arrancámos mesmo 2019 com os melhores resultados de sempre.

Este programa tornou-nos mesmo mais exigentes com o jornalismo que fazemos – um jornalismo que informa e explica, um jornalismo que investiga e incomoda, um jornalismo independente e sem medo. E diferente.

Este programa está a permitir que tenhamos uma nova fonte de receitas e não dependamos apenas da publicidade – porque não há futuro para a imprensa livre se isso não acontecer.

O Observador existe para servir os seus leitores e permitir que mais ar fresco circule no espaço público da nossa democracia. Por isso o Observador também é dos seus leitores e necessita deles, tem de contar com eles. Como subscritores do programa de assinaturas Observador Premium.

Se gosta do Observador, esteja com o Observador. É só escolher a modalidade de assinaturas Premium que mais lhe convier.

Partilhe
Comente
Sugira
Proponha uma correção, sugira uma pista: observador@observador.pt
Finanças Públicas

Como evitar um 4º resgate? /premium

Paulo Trigo Pereira

Portugal necessita de mais doze anos (três legislaturas completas) de crescimento económico e de finanças públicas quase equilibradas para sair da zona de risco financeiro em que ainda se encontra.

Brexit

Boris Johnson /premium

João Marques de Almeida

Em Londres, só um louco ou um suicida é que defenderiam o acordo assinado com a União Europeia. Resta saber se os líderes europeus terão a lucidez de reconhecer o evidente: o acordo que existe morreu.

Ambiente

A onda verde na UE e os nacionalismos

Inês Pina

Se hoje reduzíssemos as emissões de CO2 a zero já não impedíamos a subida de dois graus centígrados. E estes “míseros” dois graus vão conduzir ao fim das calotas polares e à subida do nível do mar.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

1
Registo
2
Pagamento
Sucesso

Detalhes da assinatura

Esta assinatura permite o acesso ilimitado a todos os artigos do Observador na Web e nas Apps. Os assinantes podem aceder aos artigos Premium utilizando até 3 dispositivos por utilizador.

Só mais um passo

Confirme a sua conta

Para completar o seu registo, confirme a sua conta clicando no link do email que acabámos de lhe enviar. (Pode fechar esta janela.)